A farsa no transporte público
A concessão do transporte público é uma farsa que, justificada pela modernização do setor, nem presta serviço de qualidade, nem deixa de superexplorar o trabalhador.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
nova.friburgo
Trabalhador concentrado na garagem | Diariodotransporte.com.br - redes sociais

A greve chegou para os trabalhadores do transporte público de da empresa Nova Faol, que atende Nova Friburgo, no Rio de Janeiro. Eles avançaram do primeiro para o segundo dia, e estão reclamando da falta de pagamento do 13º salário, que deveria ter sido realizado na sexta-feira (18)

Informados na sexta-feira por volta das 16h que o pagamento não seria efetuado, os motoristas afirmam que voltarão ao trabalho somente com o 13º depositado em conta.

A empresa Nova Faol, que é uma concessionária do serviço público junto à prefeitura do município Nova Friburgo, no Rio de Janeiro, reclama o repasse da verba do município a que tem direito, desde de março sem receber, chegando a R$400 mil o débito. a Nova Faol diz não ter culpa da falta de pagamento dos funcionários. Por conta da paralisação, a empresa não teve alternativa senão suspender o serviço. E, por enquanto, não há acordo.

Os sindicalistas fazem paralisação na garagem da empresa, onde se concentram para garantir que nenhum ônibus saia e circule pela cidade. A adesão é total.

As empresas estão acostumadas com o fornecimento de transporte, onde os ônibus lotados triplicam o lucro. Com a pandemia, e a necessidade do distanciamento como medida de precaução, os ônibus não só não podem andar lotados, como devem limitar o número de usuários por ônibus, o que faz com que, em vez da quantidade normal de ônibus, eles tenham que dobrar a frota, e contratar pessoal para isso, o que, decididamente essas empresas não querem fazer. Em vez disso, eles preferem desistir da concessão, já que não vão mais ver lucro mesmo.

O serviço público é terceirizado com a concessão, quando deveria ser estatizado. Com isso, a população não tem um serviço decente, porque tudo faz parte de uma regime de governo neoliberal, que entrega ao mercado o necessário serviço público, no caso o transporte, transformando-o em lucro para o setor privado, que é justificado como sendo o caminho da modernização do setor. Mas, no final das contas, o que a gente vê é exatamente o oposto. A falta de investimento, que, além de não ter nenhuma pesquisa em tecnologia para avançar o setor, é evidenciada por uma frota velha e carente de reformas. Quanto aos funcionários, a superexploração do trabalhador é feita com a supressão da função de cobrador, levando o motorista à acumulação de função, com a obrigação de fazer horas extras ainda por cima, nas poucas linhas que circulam. A prestação de serviço fica muito ruim, com lotação, e poucos ônibus nos horários de pico de movimento, muitos deles ainda se ar condicionado.

Tudo isso denuncia a farsa que é a privatização do transporte público. O sindicato não pode esperar a decisão do judiciário, nem ficar no meio do jogo de empurra entre o município e a empresa. 

Ocupar a garagem completamente e esticar a greve, não só pelo 13º, mas por uma jornada de 35 horas, e aumento do efetivo, inclusive preservando a função de cobrador e acabando com a acumulação pelo motorista, é a única alternativa que pode tirar o trabalhador da mira do calote que ambas estão preparando, que, como de costume, contará com a conivência do judiciário.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas