Quarentena e crise econômica
Rodízio e quarentena em São Paulo empurram trabalhadores autônomos para a contaminação e para a repressão violenta do Estado
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
motorisstas-uber-sp-1
Trabalhadores autônomos, crescem exponencialmente nas capitais, Imagem: MARCO QUINTANA/JC |

Da redação – O novo rodízio de veículos estabelecido pelo prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), vigente à partir desta segunda (11) está afetando diretamente um dos setores mais explorados dos trabalhadores, os motoristas de aplicativos, que não entraram em nenhum tipo de exceção da nova regra.

O Decreto 59.403, de 07 de Maio, que instituiu o rodízio ampliado, determinando a circulação de veículos com placas pares e ímpares em dias alternados, inclusive em fins de semana, definiu exceção a taxistas, carros oficiais, de transportes coletivo, inclusive as Vans, e de transporte de trabalhadores essenciais, por exemplo. Mas, na previu a circulação de motoristas de aplicativos como Uber.

Em entrevista publicada no site Uol (leia aqui), um motorista de Uber, que não quis se identificar afirmou que não tem como cumprir a medida e prefere se arriscar a ser multado, pois, ainda com a multa compensaria, já que é a sobrevivência da sua família que está em jogo, afirmou:

“Conversei muito com a minha mulher. Minha situação é a seguinte: eu preciso trabalhar, eu tenho uma meta diária de quanto tenho que ganhar por dia para fechar a conta no mês. Se eu fizer um dia sim um dia não, minha conta não vai fechar. Sabendo que vou começar o dia com menos R$ 130, da multa, tenho que rodar o máximo possível todos os dias. É o jeito”

A situação deixa claro que as medidas de repressão e paliativas dos governos, além de não resolver o problema da disseminação da pandemia, torna a vida da população pobre e trabalhadora ainda mais difícil, sendo obrigada a, além de se arriscar com o coronavírus, a sofrer a repressão violenta do Estado, seja no bolso, seja fisicamente pelas mãos da PM.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas