Siga o DCO nas redes sociais

100 mil gritam Fora Bolsonaro
Rock in Rio: Fora Bolsonaro em todo lugar
A palavra de ordem Fora Bolsonaro, mostra-se presente em todos os lugares, nas mais variadas formas, independente se é um ato político ou simplesmente um show de música.
dj-alok-se-apresenta-durante-o-rock-in-rio-no-parque-olimpico-1569622428830_v2_1920x1279
100 mil gritam Fora Bolsonaro
Rock in Rio: Fora Bolsonaro em todo lugar
A palavra de ordem Fora Bolsonaro, mostra-se presente em todos os lugares, nas mais variadas formas, independente se é um ato político ou simplesmente um show de música.
DJ no Rock in Rio, em show onde plateia explode contra Bolsonaro. Imagem: Mauro Pimentel/AFP
dj-alok-se-apresenta-durante-o-rock-in-rio-no-parque-olimpico-1569622428830_v2_1920x1279
DJ no Rock in Rio, em show onde plateia explode contra Bolsonaro. Imagem: Mauro Pimentel/AFP

Na parte inicial do Rock in Rio a cantora Lellê homenageou a vereadora assinada pelo golpe Marielle Franco, reproduzindo seu último discurso na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro, onde dizia “Não serie interrompida”.

Porém, o momento de maior repercussão da noite viria um pouco mais tarde. Foi quando o DJ brasileiro Alok falou “vamo excluir udo que há de ruim na nossa vida” que a multidão, de cerca de 100 mil pessoas, passou a entoar de maneira espontânea uma das versões da palavra de ordem mais popular do momento: Fora Bolsonaro

A palavra de ordem traduziu-se para o famoso “Ei Bolsonaro vai tomar no c*”, da qual foi transmitida por todos os lugares ao vivo, fazendo grande sucesso nas redes sociais e representando o real desejo da população brasileira, como demonstra a gravação no link abaixo.

Mesmo com Alok tentando controlar um pouco da situação, dizendo “respeito acima de tudo” após perceber que havia despertado a multidão em um ponto crucial, foi visível que o publico presente estava disposto a deixar da maneira mais explicita seu desejo de por abaixo o governo Bolsonaro.

A palavra de ordem Fora Bolsonaro, mostra-se presente em todos os lugares, nas mais variadas formas, independente se é um ato político ou simplesmente um show de música. E, enquanto a esquerda pequeno-burguesa tenta a todo custo convencer a população de que o melhor seria deixar o Bolsonaro no cargo e esperar pelas eleições de 2022, o povo brasileiro da o recado aos milhares, desde o carnaval, que por abaixo o governo Bolsonaro, o golpe de estado, é uma necessidade imediata da situação.

No Rock in Rio não havia os típicos nomes da esquerda tentando conter a vontade popular, buscando discursar em nome de sua pretensa futura candidatura a um cargo público, desesperadamente atrás de votos e principalmente da aceitação da Burguesia. Tal coisa deixou de forma clara a situação em que o país se encontra.

O povo em todos os lugares, e até mesmo em dentre setores expressivos da classe média, demonstra seu profundo desejo em se mobilizar pelo Fora Bolsonaro. Sendo assim, antes da Burguesia decidir tomar a frente, a esquerda de conjunto precisa a todo custo mobilizar-se pelo fim do governo Bolsonaro, enfim aderindo a vontade popular e de fato lutando contra o golpe.

Para isso, é de caráter essencial a chamada de atos por todo país sob a palavra de ordem Fora Bolsonaro, dando um rumo para as mobilizações populares que estouram em todos os pontos do país, juntando em uma frente de luta todos os trabalhadores, estudantes e demais oprimidos pelo golpe, pela derrubada do governo.