Menu da Rede

Mais uma propaganda eleitoral do PSDB para “combater” Bolsonaro

Outro massacre

RO: Justiça bolsonarista determina nova reintegração de posse

Com prazo de 180 dias para cumprir a reintegração de posse em favor da agropecuária Cabixi, quando o verdadeiro proprietário é o próprio Estado

Massacre de Corumbiara 1995 e possivelmente nos próximos dias – Foto: Arquivo

Em 16 de agosto de 2020, cerca de 150 camponeses ocuparam a Fazenda Nossa Senhora, em Chupinguaia (RO) sul do estado, eles são integrantes da Liga dos Camponeses Pobres (LCP) e alguns são remanescentes do massacre de Corumbiara.

Depois de duas reintegrações de posse determinadas pela justiça estadual a favor da empresa Agropecuária Cabixi, por resistência dos ocupantes não foram cumpridas. 

Houve o recuo das forças de segurança que posteriormente passaram a fazer intimidação com uso de panfletagem, patrulhamentos constantes e acusações de incêndios em casas de funcionários e no curral por parte dos ocupantes. O uso de fogos de artifício para amedrontar os funcionários e de coquetel molotov para impedir a aproximação da PM.

O juiz Roberto Gil de Oliveira suspendeu por tempo indeterminado decisão que dava prazo até o meio do ano para a desocupação voluntária por parte dos camponeses. Sugeriu ao TJ-RO que o processo fosse enviado para a esfera federal e indicou ao governador Marcos Rocha solicitar a Força Nacional de Segurança para manter a ordem na região e sem atribuição de negociações, conforme matéria do jornal G1.

Essa é a atitude em relação à ocupação da Fazenda Nossa Senhora, parte da antiga Fazenda Santa Elina com 3,4 mil hectares, palco do que ficou conhecido como o massacre de Corumbiara, por ação truculenta de pistoleiros e da PM.

Os ocupantes pertencem à Liga dos Camponeses Pobres (LCP), originados de dissidência do MST, quanto à política, por não aceitarem mais a reforma agrária através do estado e do Incra e adotarem a divisão autônoma em lotes das terras ocupadas. Seu lema é Reforma Agrária na Lei ou na Marra.

O massacre de Corumbiara, ocorrido na madrugada de 09 de agosto de 1995, cujos autores foram 300 pistoleiros e policiais, entre tiroteio e bombas, contra os ocupantes da Fazenda Santa Elina em Corumbiara (RO). O ataque durou cerca de 4 horas e deixou, como vítimas, 350 lavradores feridos em estado grave, 20 desaparecidos, 200 presos e oito mortos, incluindo uma criança. E do lado das milícias 2 soldados da PM. 

O professor Ariovaldo Umbelino de Oliveira, em seus estudos, diz que a partir dos anos 90 começa a surgir novo componente na luta pela terra, que é a denúncia de grilagem pelos latifundiários, e foi isso que ocorreu na Fazenda Santa Elina. O estado já deveria ter tomado as terras do proprietário, cumprindo a lei, conforme matéria da Comissão Pastoral da Terra Nacional.

É notório que estamos às vésperas de outro massacre, o juiz pede a transferência do processo para a justiça federal, onde outro juiz Moro se encarregará de dar sentença favorável à empresa grileira Agropecuária Cabixi, cujas terras pertencem de fato ao estado. Além de que foi expedido outro mandado de reintegração de posse para ser cumprido em 180 dias.

O coronel José Hélio Cysneiros Pachá, Secretário de Estado da Segurança, da Defesa e Cidadania, disse em entrevista que pretende executar a reintegração de posse antes do prazo. Esse coronel era o chefe de operações especiais, atual Batalhão de Operações Especiais (BOPE), na ocasião do massacre de Corumbiara, ocorrido durante o governo Valdir Raupp (PMDB) e que se elegeu Senador por Rondônia posteriormente.

E junto a isso a Força Nacional de Segurança, conforme orientação do juiz Roberto Gil de Oliveira, não negociará, e assim fica evidente que vai atacar com violência os ocupantes da Fazenda Nossa Senhora. Como eles estão dispostos a defender a ocupação, fica evidenciado o confronto.

Os conflitos de terra vem de longa data, provável que desde a 1ª República, com grilagens por parte dos latifundiários, expulsando pequenos camponeses de suas terras e anexando às já muito grande propriedade latifundiária. Muitos já morreram nesses conflitos, quem não aceita as condições dos grandes latifundiários, recebe a morte como solução do conflito.

Até agora o saldo de mortes é completamente desfavorável aos camponeses. E agora esses camponeses têm de enfrentar o braço armado do estado contra eles, já não bastasse os pistoleiros a serviço dos grandes proprietários.

Nem mesmo no governo do PT a reforma agrária conseguiu avançar ao menos um pouco. A burguesia imperialista não permite que nada atrapalhe seus planos, que se resume a retirar o máximo que puder dos trabalhadores do campo e da cidade. Enquanto eles aumentam a renda, o trabalhador perde a olhos vistos. Só mesmo com uma profunda reforma agrária feita pelo povo, com o povo e para o povo, através de conselhos populares no campo e na cidade, poderemos acabar com a fome e a miséria dos trabalhadores. É necessário o apoio e engajamento de amplos setores sociais nessa luta, ela é de todo o povo. Reforma Agrária Já!

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.