Rio de Janeiro
RJ: Polícia Militar de Witzel mata mais uma criança
Garota de 8 anos é assassinada dentro de uma Kombi a tiro de fuzil pela polícia militar de Witzel no Complexo do Alemão
agata (1) (2)
Rio de Janeiro
RJ: Polícia Militar de Witzel mata mais uma criança
Garota de 8 anos é assassinada dentro de uma Kombi a tiro de fuzil pela polícia militar de Witzel no Complexo do Alemão
Ágatha Felix Foto: Arquivo Pessoal / Witzel comemorando morte de sequestrador Foto: Gabriel de Paiva
agata (1) (2)
Ágatha Felix Foto: Arquivo Pessoal / Witzel comemorando morte de sequestrador Foto: Gabriel de Paiva

Uma garota inteligente e estudiosa de apenas 8 anos é mais uma vítima do sanguinário governador do Rio de Janeiro. A pequena moradora do Complexo do Alemão, entra agora na conta das vítimas dos golpistas junto com mais 4 crianças assassinadas recentemente por essas operações cada vez mais frequentes e fatais nas comunidades da capital do Rio de Janeiro.  Kauê Ribeiro dos Santos, 12 anos; Kauan Rosário, 11 anos; Kauan Peixoto, 12 anos; Jenifer Cilene Gomes, 11 anos, são as outras jovens vítimas que estavam no lugar errado e na hora errada, ou seja, saindo de suas escolas, dentro de suas casas, saindo para comprar um lanche.

Ágatha Felix estava dentro de uma Kombi a caminho da Fazendinha com a família, quando foi atingida por um tiro de fuzil nas costas disparado por policiais militares da UPP que atiravam em uma moto suspeita. Ela foi levada ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

Ailton Félix, avô de Ágatha, declarou aos prantos e em tom de revolta, em frente ao hospital, após receber a noticia do falecimento de sua neta — Quem tem que dar informações é quem deu o tiro nela. Matou uma inocente, uma garota inteligente, estudiosa, obediente, de futuro. Cadê o policiais que fizeram isso? A voz deles é a arma. Não é a família do governador ou do prefeito ou dos policiais que estão chorando, é a minha. Amanhã eles vão pedir desculpas, mas isso não vai trazer minha neta de volta. 

A morte da garota gerou revolta não só nos familiares, mas na população carioca que não aguenta mais esse combate ao tráfico que não passa de uma desculpa para a polícia militar chegar atirando nas favelas, matando e apavorando a população pobre e trabalhadora dessas comunidades. Os moradores realizaram na manhã desse sábado um protesto contra a morte da menina.

 

Dezenas de moradores protestaram contra a morte de Ágatha Félix nesse sábado Foto: Raull Santiago