Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Brasília - Segurança é reforçada no Palácio do Planalto (Valter Campanato/Agência Brasil)
|

Da redação – Os efeitos do golpe contra o povo são catastróficos. Não bastasse a Intervenção Militar, utilizada como ameaça para que as massas do Rio de Janeiro não se revoltem contra o golpe, contra a prisão de Lula e contra a matança de trabalhadores pelos militares, agora temos que assistir a oficialização eleitoral dos golpistas que colocaram 12 policiais nas bancadas federais e estaduais do estado.

Na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio), a bancada formada por policiais militares, civis, federais e integrantes do Exército, foi de sete para 12, e, desses, nove entram pela primeira vez no serviço de atender as ordens da burguesia golpista no Legislativo.

Seguindo o crescimento militar dentro das instituições golpistas, na bancada federal foram sete “eleitos”, mais os três da legislatura atual.

O PSL, de Bolsonaro, elegeu grande bancada, demonstrando que o fascismo não se derrota nas urnas, e assim, a conclusão deve ser de que as eleições servem para oficializar as barbáries da direita golpista. O partido foi o que colocou maior quantidade de policiais na assembleia do estado e também na Câmara Federal, contabilizando oito dos 11 eleitos.

Alguns dos “eleitos” foram o tenente Newton da Silva, como segundo suplente na Alerj, a major Fabiana da PM, conhecida como “Major do Salto”, por ter sido fotografada em 2014 a paisana rendendo suspeitos na favela do Jacarezinho – e primeira mulher a se eleger no Rio -, também o sargento Gurgel e Daniel Silveira – que participou do ato onde a placa de Marielle Franco foi rasgada nesta semana -, o delegado Antonio Furtado, o policial federal Felicio Laterza e o subtenente do Exército, Helio Fernando, o deputado federal mais “votado” do Rio com 345 mil votos.

A imprensa burguesa ressalta que essa grande entrada de militares se dá por conta de que Bolsonaro foi utilizado para campanha desses capachos da burguesia e este diário denuncia que estamos em uma situação de completa fraude levada a cabo pelos golpistas.

Os militares estão em todas as instâncias do poder. Como ministros golpistas, temos dois, sendo um deles, Sérgio Etchegoyen, parente de torturadores da ditadura de 1964, o atual presidente do Brasil. No Supremo Tribunal Federal (STF), temos o assessor de Dias Toffoli, Fernando Azevedo e Silva, que na verdade manda e ameaça os trabalhadores, e agora, mais de 70 militares espalhados pelo legislativo em todo o território nacional.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas