Ditadura
Dois jovens indígenas da etnia guarani, Denis Garcia Benite e Jeferson Tupã Vae, estão presos desde 8 de abril acusados de furto de álcool gel da Sesai.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Lingua-Guarani
Indígena da etnia Guarani | Foto: Reprodução

Os jovens indígenas da etnia Guarani Denis Garcia Benite, 18 anos, e e Jeferson Tupã Vae, 21 anos, estão presos desde o dia 08 de abril sob a acusação de terem furtado álcool gel, gaze, esparadrapo, saboneteira e outros objetos da Secretaria de Saúde Indígena e  da Escola Bilingue Tavamirim. Os dois indígenas trabalham como artesãos e são da  Aldeia Itatim, localizada no município de  Parati, estado do Rio de Janeiro.

Os indígenas foram ouvidos pelo delegado de polícia, sem intérprete, o que caracteriza uma violação de seus direitos. A devolução dos objetos foi solicitada pela autoridade policial, o que foi prontamente atendido pelos indígenas no momento do incidente. Isso significa que o ato de subtração sequer foi consumado, uma vez que houve a pronta devolução.

As detenções ocorreram em meio à pandemia do Covid-19, no momento onde os indígenas denunciam o completo abandono pelo sistema de saúde indígena e o genocídio em marcha. A extrema-direita tem agido  abertamente, sob as diretrizes política de Jair Bolsonaro, para desmontar a Secretaria de Saúde Indígena (Sesai).

A prisão dos dois jovens guaranis, por motivos banais, é uma expressão objetiva da política da direita golpista no interior da  Sesai. É uma política consciente e planejada de negar assistência aos povos indígenas e deixá-los padecer de infecção pelo coronavírus. Como os dois jovens tomaram a atitude de resistir e se apoderar dos materiais que podem ser usados para salvar suas vidas e de seus pares na aldeia, a resposta foi a prisão.

Sob o controle da extrema-direita bolsonarista, as instituições que deveriam implementar políticas de proteção aos indígenas – Sesai, Funai – tornaram-se instrumentos de perseguição e repressão aos mesmos. A violação dos direitos democráticos e processuais dos jovens guaranis, que são mantidos encarcerados sem crime, sem processo judicial e sem direito à defesa, é uma demonstração do que os golpistas pretendem fazer com os indígenas em geral.  Ao fim e ao cabo, trata-se de impor uma ditadura aos indígenas e obrigá-los a aceitar a morte.

Desde que assumiu fraudulentamente a Presidência da República, como resultado da fraude eleitoral de 2018, Jair Bolsonaro tem levado adiante uma política de repressão e estímulo ao extermínio das lideranças indígenas. Militares do Exército foram nomeados para dirigir a Funai. A pandemia do coronavírus apresentou-se como uma oportunidade de promover o extermínio em massa dos indígenas, porém sem aparecer como resultado direto da política bolsonarista. Pelo abandono institucional, Bolsonaro deixa que as mortes se sucedam.

Denis Garcia Benite  e Jeferson Tupã Vae devem ser imediatamente libertados do cárcere político a qual se encontram.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas