Estado falido
Estado do Rio de Janeiro não consegue pagar sua dívida e coloca o fascista Witzel nas mão do fascista Bolsonaro.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
(Brasília - DF, 24/06/2019) Presidente da República, Jair Bolsonaro em reunião com Wilson Witzel, Governador do Estado do Rio de Janeiro; Senador Flávio Bolsonaro (PSL/RJ); Chase Carey, Diretor Executivo da Fórmula 1; e José Antonio Pereira Junior, Presidente da Rio Motorsports.rFoto: Carolina Antunes/PR
A direita destruiu o Rio de Janeiro | Foto: Carolina Antunes/PR

O estado do Rio de Janeiro terá uma semana para apresentar medidas que resultem numa economia de R$ 31 milhões. A exigência foi dada ontem em um parecer do Conselho de Supervisão do Regime de Recuperação Fiscal (RRF), órgão subordinado ao Ministério da Economia. O não cumprimento da meta implicará na saída do estado do ajuste que suspende o pagamento de dívidas com a União que vigora até setembro, acordo que poderia ser renovado por mais três anos.

Guilherme Mercês, Secretário estadual de Fazenda, afirmou que a exigência é desproporcional para que um estado com receita anual de R$ 60 bilhões e que presta serviços públicos para 17 milhões de pessoas. Nas palavras de Mercês: “se estamos falando de três anos de RRF, são R$ 180 bilhões. Então, dentro desse volume, tirar o estado do regime por conta de R$ 31 milhões não faz o menor sentido”.

O parecer aponta que o estado do Rio atingiu 94,83% da meta de economizar R$ 599,7 milhões, portanto uma das 25 violações de não conformidades com as metas de austeridade. Outra violação apontada é o atraso na privatização da Cedae, a Companhia Estadual de Águas e Esgotos.

O secretário, apesar de surpreso pelo rigor na aplicação do contrato, ainda tem esperança de um acordo com o conselho e afirmou que, até a próxima quarta-feira, apresentará novas medidas que permitirão atingir a meta de economia e dará ao estado, a oportunidade de renovar o acordo com a União, que vige desde 2017.

O estado do Rio de Janeiro há anos encabeça a lista de estados mais endividados da União, desde 2016 fura o teto estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal, que é 200% de dívida acima da receita, ou seja, pela lei a dívida não poderia passar do dobro da receita. Em 2020 esta dívida atingiu 282% da receita, justamente no período da pandemia quando o estado precisaria de mais recursos para salvaguardar a população e com expectativas de redução da receita.

Os primeiros impactados pela administração financeira temerária praticada pelo golpista Witzel é o funcionalismo público, que está sem reajuste há 6 anos. Especialista apontam que seria necessário o comprometimento mensal de 77% do orçamento, o que politicamente seria suicídio. Desta forma, o que resta ao governo do estado do RJ é chegar a um acordo com seu atual desafeto, Bolsonaro. Quem sabe, em nome de um passado recende, quando eram aliados contra o PT, não haja um entendimento entre os dois maiores expoentes do fascismo brasileiro?

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas