Ricardo Salles “pune” mineradora Vale após catástrofe com a doação de sete parques nacionais

O ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles (Partido Novo), do governo ilegítimo de Messias Bolsonaro (PSL), está negociando uma rigorosa “punição” contra a Vale.

Salles, propôs uma “saída ecológica” para a catástrofe provocada pela Vale em Brumadinho: a absolvição de R$250 milhões da multa aplicada pelo Ibama em ações ambientais da mineradora.

Se trata da “adoção” (premiação) pela Vale de sete parques nacionais localizados em Minas Gerais e administrados pelo ICMBio: Caparaó, Serra do Gandarela, Caverna do Peruaçu, Grande Sertão Veredas, Sempre-Vivas, Serra da Canastra e Serra do Cipó.

Legalmente, pessoas jurídicas beneficiárias de concessões de parques nacionais só podem ser escolhidas por meio de licitação, para que não haja favorecimento de interessados. Os vencedores dessa licitação devem arcar com as despesas de manutenção das unidades concedidas.

Além de generosamente dispensar a Vale de sete licitações para concessões de belíssimos e frondosos parques nacionais, a nobre proposta do pródigo ministro (fascista) prevê também dar “de mão beijada” para a mineradora o dinheiro que ela, como concessionária, deveria investir nas unidades de conservação. Ou seja, os R$250 milhões que deixariam de ser pagos na forma de multa para custear ações de recuperação ambiental podem por puro milagre se transformar em investimento da empresa.

O Partido Novo foi usado pelos políticos tradicionais pra enganar o povo com o discurso da “nova forma de política”, praticada por gestores não políticos, com idéias “novas” e projetos “novos” para atuar com austeridade, cortar gastos com os serviços públicos e “acabar” com a corrupção.

Os tucanos tingidos de laranja trouxeram a mesma política falida dos tucanos tradicionais após eleger parasitas como Romeu Zema em Minas Gerais, com a mesma estratégia do tucano de bico mole, João Doria (PSDB).

“A punição tem sido exemplar”, diz o golpista Ricardo Salles, sobre providência contra o maior desastre ambiental da história do Brasil, causado pela Vale, que por sua vez aceitou a “penalidade” (prêmio) prontamente.