Um reformismo sem reformas
Guilherme Boulos e Erundina, pré-candidatos a prefeitura de São Paulo, tiveram a oportunidade de apresentar sua propaganda eleitoral na golpista Folha de S. Paulo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
boulos
O amarelo também é parte da demagogia eleitoral. | Reprodução.

Guilherme Boulos e Luiza Erundina têm divulgado em vídeos, artigos e entrevistas o termo “revolução solidária” como uma espécie de mote de campanha eleitoral. Vale lembrar, os dois são pré-candidatos à prefeitura e vice-prefeitura de São Paulo pelo PSOL respectivamente. Em abril, a golpista Folha de S. Paulo deu espaço na sua página de opinião “Tendências e Debates” a artigo assinado pelos dois justamente com o título “Por uma revolução solidária”.

No artigo, publicado em 10 de abril, no início da pandemia, os dois candidatos do PSOL fazem um discurso sobre a situação do País, que de fato é catastrófica, e concluem que “o momento exige uma revolução solidária. As tragédias têm o poder de nos colocar diante de nossas escolhas como sociedade. Se o que vemos é apenas o horror do ‘cada um por si’ e da falta de empatia, talvez seja uma grande oportunidade para rever nossos caminhos.”

“Que essa crise possa ao menos deixar o legado de novos valores. O legado solidário que reoriente profundamente a forma como organizamos nossa sociedade”, conclui o artigo.

O que significa ser “solidário”? Boulos e Erundina não explicam, as palavras bonitas dizem por si só. Mas será que ser “solidário” significa conviver com a extrema-direita fascista? Ser solidários significa defender um política social determinada ou é uma ideia que visa tocar o coração das pessoas.

Nada além de palavras vazias. As palavras dos pré-candidatos do PSOL são emotivas mas não significam nada, além da mais rasteira demagogia eleitoral do maior mau gosto e muito piegas.

A campanha eleitoral já começou para Boulos e Erundina e os seus concorrentes dentro do PSOL que fiquem atentos, pelo espaço na Folha de S. Paulo que divulgou sua “Revolução Solidária” para que a imprensa golpista e a burguesia já escolheram a sua chapa preferida dentro do PSOL.

A chapa Boulos-Erundina merece uma consideração especial. Trata-se da junção de um setor bastante direitista do PSOL, representado pela ex-prefeita de São Paulo, egressa do PSB, partido burguês com um setor que procura se apresentar como grande líder radical das massas, que é Guilherme Boulos. Na realidade, a própria chapa por si só desmascara a alcunha que Boulos tenta fazer de si mesmo.

A “revolução solidária” não é apenas propaganda eleitoral. É uma política de tipo reformista, que procura substituir a ideia da luta de classes por conceitos morais e abstratos. Mais precisamente, seria um reformismo sem reformas, já que se trata justamente de uma política que não propõe nenhuma reforma social concreta, mas apenas uma mudança na mentalidade e no sentimento das pessoas.

Tal política direitista está em consonância com a defesa de Boulos da frente ampla com setores da direita golpista e o uso do amarelo, que a mesma Folha lançou como campanha pela democracia. Com Fernando Henrique Cardoso e Cia não dá para sequer defender reformas sociais. Fiquemos na pura demagogia eleitoral com direito a propaganda na Folha. Sem luta contra Bolsonaro e os golpistas, sem mobilização. Sejamos solidários com todos!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas