Reparação histórica?
Esquerda pequeno-burguesa quer substituir a luta política real pela luta dos “símbolos”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
398_1216
Monumento às Bandeiras foi pixado em protesto | Arquivo

A esquerda pequeno-burguesa é dada a modismos. É dessa mentalidade que vem a insistência em defender a ideologia da derrubada de estátuas e monumentos. Alguns griingos fizeram isso nos Estados Unidos e na Inglaterra e esses setores da esquerda começam a defender que deveríamos copiar essa mesma ação aqui no Brasil.

O Brasil ainda não ingressou em grandes mobilizações que tomaram conta dos EUA, em grande parte graças à política paralisante dessa própria esquerda. Menos ainda, podemos dizer que há nas massas brasileiras um desejo de ver estátuas caindo ao chão. Muito longe disso. Em compensação não vemos o mesmo ímpeto no que diz respeito a impulsionar uma mobilização real aqui no Brasil, a maioria dessa esquerda ainda vive no tempo do “fique em casa”, mesmo que a direita já esteja mandando todo mundo sair de casa, trabalhar e adoecer.

A colunista do portal Esquerda online e membro da corrente do PSOL, Resistência, Sílvia Ferraro, defendeu que a “Derrubada de estátuas é reparação histórica”. Segundo ela, “um processo revolucionário começa ou termina pela subversão dos símbolos da sociedade anterior.”

Há nesse ideia muito sobre a política que o PSOL e a maior paerte da esquerda pequeno-burguesa vem levando aidante no Brasil. Para a colunista, um processo revolucionário “começa ou termina” com a derrubada de símbolos, ou como ela afirma no título do artigo, por uma “reparação” da história.

Mas por qual processo revolucionário passa o Brasil hoje. Mais precisamente, nem mesmo os Estados Unidos, que assistem a enormes mobilizações. Nesse sentido, então, podemos concluir que para esse setor da esquerda, o essencial a se fazer nesse momento é isso: “reparar a história”, “subverter os símbolos”, não mobilizar o povo.

A “revolução” dessa esquerda é “simbólica”. Depois a gente vê como fica a luta contra a exploração da burguesia, que é a escravidão atual, a luta contra a PM, que é o capitão do mato atual, enfim, a luta política real, contra o golpe, a destruição dos direitos políticos e econômicos do povo, a matança da polícia. Por isso insistem tanto nas estátuas e nos símbolos e não dizem nenhuma palavra sobre a mobilização real do povo.

No artigo, Sílvia Ferraro comemora que “este movimento está fazendo com que alguns prefeitos e autoridades se antecipem e eles mesmos proponham a retirada das estátuas de maneira ‘civilizada’. O prefeito de Londres, Sadiq Khan, disse que criará uma comissão para garantir que as ruas e parques reflitam a diversidade da cidade e retirará homenagens relacionadas à escravidão.”

Fica claro outro aspecto do problema: o caráter reformista de tal ideologia. Basta esconder as estátuas que estamos diante de uma vitória. Enquanto isso, tudo continua normalmente. Na realidade é um reformismo sem nenhuma mudança concreta, apenas “simbólica”. A “reparação histórica” é na realidade uma maneira de ocultar o passado, somente isso.

Por fim, é preciso dizer uma palavra sobre a ideia de que o processo revolucionário “começa ou termina” com a “subversão dos símbolos da sociedade anterior”. Essa é na realidade uma simplificação e uma distorção dos acontecimentos. Se não podemos negar que as revoluções, com todo o ansio de transformação das amplas massas, acabam por agir sobre determinados “símbolos” que estão relacionados à sociedade que se quer combater, também não é correto dizer que isso faça parte de uma ideologia revolucionária, menos ainda do marxismo.

Os marxistas reconheciam que nas revoluções as massas cometem até mesmo excessos, o que não invalidam – de nenhuma maneira – essa revolução. Portanto, se uma estátua ou várias delas forem derrubadas – não estamos dizendo que necessariamente isso seja um excesso – isso não tem nada a ver com uma ideologia, mas mais com o curso mais ou menos incontrolável dos acontecimentos. Ao contrário disso, o marxismo acredita que as ideias, as obras, os monumentos, em suma, toda a historia, são conquistas da humanidade, com toda a sua contradição, sobre a qual se erguem novas e poderosas ideias.

Apagar, esconder, destruir a historia não encherá a bariga de ninguém. Só vai servir mesmo para aumentar a dissimulação daqueles que dominam.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas