Veja quem são os principais candidatos do PCO no Sul do País

  • Capa
  • editorial
  • O risco de atrasar a mobiliação pró-Lula

O golpe se prepara

O risco de atrasar a mobiliação pró-Lula

A candidatura de Lula abre a perspectiva por uma enorme mobilização popular

Lula em Feira de Santana (BA) – Ricardo Stuckert

Receba o DCO no Email

Uma questão de extrema importância, no atual quadro de luta política eleitoral, diz respeito à candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A candidatura de Lula, sem dúvida nenhuma, é o maior obstáculo nos planos dos golpistas no atual cenário nacional. Pelos indicativos, que se manifestam, principalmente, pelos órgãos de imprensa da burguesia, a eleição se dará sobre a base de uma enorme crise desse setor, confrontada com a candidatura do Lula, versus os seus candidatos: Bolsonaro, terceira via, etc. 

Por outro lado, a candidatura do Lula abre a perspectiva por uma enorme mobilização popular. Mesmo com toda essa perspectiva de mobilização, o que se vê, por parte do Partido dos Trabalhadores (PT), é uma total paralisia em colocar o bloco na rua, já preparando a campanha Lula Presidente. Enquanto que os candidatos da direita estão todos os dias nos lares de milhões de brasileiros, através dos monopólios das comunicações (falar que não pode fazer campanha antes do prazo estipulado pelas instituições do Estado burguês é conversa pra boi dormir, eles estão em plena campanha eleitoral, já a muito tempo, através desses órgãos), o PT dá total preferência às articulações com alianças com a direita ao i nvés de se colocar com a política que, efetivamente poderá dar a vitória eleitoral para o Lula, as mobilizações populares. 

Artigos Relacionados

Somente as mobilizações populares poderão dar chances de se garantir uma vitória para a candidatura Lula, que conta para isso com a força de poderosas instituições dos trabalhadores, tais como a Central Única do Trabalhadores (CUT), o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e diversos outros movimentos populares.

A política do PT, que ainda persiste, de uma vitória certa, mas que está ficando cada vez mais claro, inclusive para o próprio PT, que não tem nada garantido; as pesquisas de intenção de votos que, mesmo com as tão manjadas manipulações, mostram Lula com 43%, Bolsonaro com 26% e Moro com 8%. 

Sempre é bom lembrar, que a burguesia não nasceu ontem, são mais de duzentos anos de experiências, e se utilizam de todos os recursos para tentar dar a vitória aos seus candidatos, nem que para isso disponibilizam de expedientes de força, para ter as suas pretensões atendidas, como aconteceu, inclusive, com o próprio PT recentemente, com o golpe de 2016 com a deposição da presidenta Dilma Rousseff, através de um golpe de Estado e logo em seguida, em 2018 com um novo golpe contra a Constituição com a prisão do Lula. 

Podemos citar outros exemplos, do passado, de golpes nas diversas outras candidaturas do Lula. Em 1990, a burguesia elegeu o seu candidato, com a “vitória” de Collor de Mello, um candidato que apareceu, parafraseando Bento Carneiro, “do aquém do além, adonde que véve os mortos” e “derrotou” o candidato mais popular na época, com mais de 60% das intenções de votos, o próprio Luiz Inácio Lula da Silva. No ano de 1994, quando Lula era líder absoluto nas pesquisas eleitorais, a burguesia lançou o famigerado Plano Real nas vésperas das eleições, no governo Itamar Franco, que tinha com o Ministro da Economia, o também famigerado Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que acabou derrotando a candidatura Lula. Poderíamos ficar datilografando laudas e laudas das fraudes, maracutaias e tramoias eleitorais da burguesia para eleger os seus candidatos, mas o que interessa realmente, na atual situação política brasileira, é que somente uma verdadeira mobilização nas ruas poderá derrotar a direita golpista nas próximas eleições. 

Em nenhum desses casos citados anteriormente houve, por parte do PT, uma verdadeira campanha de mobilização popular para enfrentar os candidatos da direita, apenas as mesmas articulações de bastidores com a direita, que se repete para as eleições de outubro de 2022.

Somente uma ampla campanha de rua, com a formação de milhares de comitês de mobilização, com a confecção de milhões de panfletos, cartazes, tomando os muros das cidades em todo o País, causando um impacto, tornando pública a campanha será capaz de derrotar o golpe nas urnas. Não resta dúvida que a candidatura Lula é muito popular, basta ir nos bairros operários, nas fábricas, no campo, etc. para perceber que boa parte da população quer participar da luta política e, simplesmente por conta dessa paralisia da direção do PT em não ir para as ruas, a tendência é de aumentar a dispersão ou mesmo aumentar a confusão dessas pessoas, por essa política equivocada de dar preferência às articulações com a direita ao invés de ir para as ruas.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.