Divisões

  • Capa
  • Revista do DCO
  • Carmen Silva, que acusou PCO de roubar celular, é paga pelo Itaú

Walther Moreira Salles

Carmen Silva, que acusou PCO de roubar celular, é paga pelo Itaú

Acionista do Itaú fez doações a Carmen Silva, que teve seus 15 minutos de fama quando fez acusações caluniosas ao PCO

Carmen Silva – Foto: Reprodução

Receba o DCO no Email

─ Julia Scalvenzi, DCO ─ Na última semana, o Diário Causa Operária fez um levantamento que indica a quantidade de doações recebidas por determinados candidatos nas eleições de 2022. Todas as informações podem ser encontradas no sítio de transparência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Entre as reportagens já disponibilizadas é possível encontrar informações sobre a divisão desigual do fundo eleitoral do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), as doações de Walther Moreira Salles Júnior, ligado ao Banco Itaú, a candidatos negros, as ligações de candidatos como Sônia Guajajara (PSOL) ao próprio Banco Itaú, ou de Marcelo Freixo e Alessandro Molon ao banqueiro Armínio Fraga, já conhecido por financiar candidaturas (supostamente) esquerdistas.

Artigos Relacionados

A candidata da vez é Carmen Silva, uma velha conhecida do Partido da Causa Operária por sua série de ataques caluniosos em conjunto com a Revista Fórum, feitos em 2021, contra o partido.

O financiamento

Carmen reapareceu no cenário político nas eleições de 2022 para concorrer ao cargo de deputada estadual pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), em São Paulo. Ela logo foi identificada como mais uma peça da direita — como dito na matéria “A tara do itaú por um negão”, publicada recentemente neste Diário, o cineasta Walther Moreira Salles Júnior, ligado ao Banco Itaú, financiou uma série de candidatos negros nessas eleições e, entre eles, Carmen Silva, que recebeu uma doação de R$ 25.000,00 do cineasta. Outras figuras também receberam doações generosas, como Wesley Teixeira (outro membro do PSB, ex-PSOL), Orlando Silva (PCdoB) e Douglas Belchior (PT, ex-PSOL) ─ com este último o principal expoente do identitarismo no Brasil, sendo o criador da Coalizão Negra por Direitos, conjunto de associações pelo direito dos negros que são financiadas pelo imperialismo e possuem diversas políticas direitistas.

Walther Moreira Salles Júnior, apesar da profissão inofensiva, é filho de Walther Moreira Salles, ex-banqueiro do Itaú, ex-embaixador do Brasil em Washington no governo de Getúlio Vargas, ex-ministro da Fazenda do governo Jango e fundador da Unibanco, União de Bancos Brasileiros S.A. Na época do governo de Costa e Silva, em meados da ditadura militar, a Unibanco era o quinto maior grupo financeiro do país — a Unibanco se fundiu ao Banco Itaú em 2008, tornando-se o Itaú Unibanco e subindo ao pódio como maior conglomerado financeiro do hemisfério sul e um dos 20 mais caros do mundo.

Outro parentesco importante de Walther é seu irmão, Pedro Moreira Salles, nada mais, nada menos que presidente do conselho do Itaú Unibanco. O próprio Walther Júnior já foi um acionista do Itaú, na época em que entrou no ranking de bilionários da Revista Forbes e foi classificado como o diretor de cinema mais rico do mundo. Não por seu trabalho, mas por sua herança e ligações com o banco — um ponto importante é que Walther é sócio de todos os seus irmãos, Pedro, João e Fernando Moreira Salles. João é um cineasta e empresário, que também contribuiu com diversas candidaturas negras nestas eleições, e Fernando é empresário e acionista do Itaú. De acordo com o ranking da Revista Forbes, os irmãos Moreira Salles formam uma das famílias mais ricas do Brasil, além de cada um deles fazer parte do ranking de pessoas mais ricas do país.

Outro ponto que faz a família Moreira Salles estar neste patamar é o fato de que, em conjunto, eles detêm 70% da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), que é a líder mundial na comercialização de produtos de nióbio, responsável por cerca de 80% do fornecimento do metal para o mundo. A empresa teve uma receita líquida de R$ 11,4 bilhões em 2021, quebrando recordes próprios e contrariando as tendências impostas pela pandemia.

Carmen Silva também foi fortunata de mais um grande doador: Augusto Arruda de Botelho Neto, advogado, que ingressou no PSB na mesma cerimônia que Carmen e Alckmin, pouco antes de este ser anunciado como vice de Lula. Ele é conselheiro da ONG Human Rights Watch, que recebe financiamento da Fundação Ford, e um dos fundadores do Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD), que recebe financiamento da Fundação Open Society — o advogado doou R$ 28.600,00 para Carmen.

Ainda de acordo com o sítio do TSE, Carmen Silva não prestou contas e, portanto, não é possível rastrear todos os seus generosos doadores — a própria doação de Walther Moreira Salles não se encontra em seu perfil de campanha dentro do sítio, e isso significa que o buraco pode ser muito mais embaixo.

Família Moreira Salles. Walther Jr., João e Fernando (em pé), Pedro e Walther (sentados).

É importante relembrar que o PSB recebeu uma série de políticos direitistas nos últimos meses, fazendo com que o partido crescesse e se transformasse cada vez mais em um antro reacionário. Entre as figuras que podemos citar, temos Geraldo Alckmin, Marcelo Freixo, Tábata Amaral e Flávio Dino — figuras (com exceção de Alckmin e Tábata) já tachadas de esquerdistas e advindas efetivamente de partidos de esquerda, mas que tiveram a mudança de partido como um dos passos finais para a direitização, assim como Carmen.

Os 15 minutos de fama

Em meados de julho de 2021, quando a esquerda pequeno-burguesa começou a flertar com a ideia de inserir a direita nas manifestações pelo Fora Bolsonaro, um certo dia uma ala supostamente de esquerda do PSDB compareceu a um dos atos convocados na época.

A oposição, encabeçada pelo Partido da Causa Operária, foi grande. É inaceitável que o partido de João Doria, o político mais odiado de São Paulo, que reprimiu manifestações e retirou direitos da população paulista, além de abertamente ter sido um apoiador de Bolsonaro, fosse aceito em uma manifestação como aquela. Esse fator gerou um atrito na manifestação entre esse bloco da direita e as pessoas da esquerda, sobretudo do PT e do PCO, que se opunham à decisão que, na prática, não havia sido aprovada por ninguém. A participação da direita, na época, foi altamente repudiada.

Poucos dias depois, a então autodeclarada líder do Movimento dos Sem-teto do Centro (MSTC), Carmem Silva, apareceu no canal da TV Fórum, de Renato Rovai, para acusar “o PCO” de agressão, fazendo acusações e tentando utilizar uma política identitária para indicar que, se ela é uma “mulher, negra e líder do movimento sem-teto”, então suas acusações, mesmo sem provas, deveriam ser aceitas, e, consequentemente, o PCO deveria ser culpado.

Carmen acusou “o PCO” de atacar o MSTC, espancar pessoas, bater em mulheres e roubar celulares — uma calúnia atrás da outra, as quais a própria Carmen desmentiu, involuntariamente, ao longo de suas declarações. O PCO não atacou o MSTC, espancou mulheres ou pessoas no geral. O que ocorreu foi que manifestantes da esquerda se defenderam da agressão do PSDB, e os “pacifistas” e defensores da direita nos atos ─ estavam servindo basicamente como seguranças do PSDB ─ entraram no meio do conflito para tentar “apaziguar a situação”, e isso foi falado pela própria Carmen durante as entrevistas.

Além disso, apesar de ter insistido no fato, é importante ressaltar que nunca nenhuma prova de roubo de celulares foi vista, assim como a acusação de que o “PCO roubou celulares” é indevida, pois o PCO é um partido, uma entidade jurídica, e não tem como roubar nada.

Carmen Silva no programa da TV Fórum

Com o tempo, todas essas acusações foram para o limbo, abandonadas por Carmen frente ao fracasso de suas calúnias. Nenhuma delas voltou à tona e o caso foi esquecido e, de certa forma, inclusive abafado por conta das calúnias absurdas, que mais queimaram a imagem de Carmem (e da Fórum, que acompanhou a líder do MSTC enfaticamente em todas as suas acusações, na sanha de defender a sabotagem dos atos Fora Bolsonaro pelo PSDB) do que ajudaram em alguma campanha contra o PCO.

Por fim, esse caso foi esquecido, mas Carmen conseguiu se destacar e atrair os olhos da direita. Logo, começou sua jornada cada vez mais rumo à direita, apenas retrocedendo no que diz ao direito da população brasileira. No final daquele ano, Carmem ganharia o Prêmio Ecoa 2021 do UOL (isto é, da Folha de S.Paulo), pelos seus supostos trabalhos como militante do MSTC. Já no início de 2022, mais especificamente em março, Carmen Silva completaria sua transição à direita, saindo do PT e entrando para o PSB em conjunto com Geraldo Alckmin.

No fim das contas, agora é possível ver com maior clareza a natureza dos ataques de Carmen Silva. Suas acusações sem sentido e caluniosas fazem parte de uma campanha dos banqueiros, da direita, contra o PCO e o movimento operário. Isso ocorre porque a política levada a cabo pelo partido é de caráter revolucionário, defendendo a candidatura de Lula para mobilizar os trabalhadores, além de denunciar os infiltrados da direita no movimento operário, desmascarando essas figuras até que elas mesmas se revelem, como foi o caso de Carmen Silva.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.