Revelada a conspiração golpista dos EUA na Venezuela

maduro_venezuela
Os planos golpistas dos Estados Unidos contra os países latino americanos são bem concretos. Não é de hoje que o imperialismo norte-americano conspira contra os povos das Américas.
O jornal norte-americano The New York Times deu mais uma prova de que a conspiração golpista contra a América Latina está bem ativa.
Em uma notícia publicada no periódico confirma que o governo Trump se reune, secretamente, inúmeras vezes, com militares venezuelanos, desde 2017 para tramar um golpe contra o presidente Nicholas Maduro.
Segundo o jornal, os encontros secretos entre funcionários do governo norte-americano e militares golpistas da Venezuela não prosperaram e a tentativa de golpe foi abortada.

A respeito da reportagem, a Casa Branca não negou o plano golpista, mas também não apresentou detalhes destas reuniões que aconteceram até o começo de 2018. O comunicado se restringiu apenas a dizer que os Estados Unidos estão dispostos a “dialogar com todos os venezuelanos que demonstrem um desejo de democracia”.

As reuniões secretas foram realizadas a pedido militares venezuelanos golpistas que pretendiam derrubar o governo Maduro. Os enc.ontros secretos foram realizados fora da Venezuela com militares que diziam representar uma centena de outros oficiais das Forças Armadas que pretendiam dar um golpe no presidente venezuelano

Ainda segundo a reportagem um dos militares que conspiraram contra Maduro apresentaram uma estratégia que envolvia uma comunicação via rádios criptografados para que houvesse um meio de se comunicar de forma paralela. O golpe seria tirar Maduro e instalar um governo de transição que convocasse novas eleições.

O periódico ainda disse que um porta-voz do governo Trump declarou, extraoficialmente, que os militares venezuelanos procuraram ajuda dos Estados Unidos, mas que não tinham uma ideia claro de como executar o golpe.

Um ex-oficial venezuelano que participou das reuniões também disse que não eram favoráveis a uma intervenção militar norte-americana, mas mesmo assim tentaram desestabilizar o governo inúmeras vezes. O recente atentado a Maduro feito com drones portando explosivos é um exemplo de como o golpe contra o governo Venezuelano não foi descartado e ainda está em curso.

Esta revelação feita pelo The New York Times expõe mais uma vez de maneira cabal qual é a política imperialista. É uma política golpista voltada a atacar os governos nacionalistas dos países latino americanos para promover uma devastação na economia e assaltar as riquezas naturais desses países. O Brasil, por exemplo, é um dos alvos preferenciais do imperialismo norte-americano para consolidar o golpe no Brasil e avançar esta política nos países, como a Venezuela, que ainda não foi implementado.