Movimento docente
Reunião conjunta dos setores do Andes discute um plano de mobilização
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
andes
Faixa da chapa Renova Andes chamava a categoria a lutar contra o golpe de Estado no país | Arquivo DCO

Realizou-se nesta sexta 29 de maio, a Reunião Conjunta dos Setores das IEES/IMES e das IFES do Andes-Sindicato Nacional . O tema central da reunião, como não poderia deixar de ser: a crise sanitária do coronavírus e a crise política.

O movimento docente universitário, como aliás praticamente todo movimento sindical, encontra-se paralisado devido a política da burocracia sindical de suspender as lutas. Como se uma adesão a medidas protetivas em defesa da “ vida” devesse provocar o fechamento dos sindicatos.

Essa política de “quarentena sindical” permitiu que os patrões e suas representações políticas pudessem, de maneira violenta, atacar ainda mais os trabalhadores. O aumento das demissões e corte salários, bem a obrigatoriedade de trabalho sem condições protetivas, expondo os trabalhadores a contaminação pelo coronavírus expressam a ofensiva sem precedentes dos patrões.

Nas universidades a coação pelo “ restabelecimento” das atividades mesmo com a proliferação do vírus tem se transformado em uma constante. Na maioria das instituições de ensino a pressão é pela constituição de “trabalho remoto” e pelo estabelecimento de um arremedo de EAD. Isso, não existe nenhum preparo prévio e com precárias condições para que os estudantes possam efetivamente acompanhar o “ ensino à distância”.

Além disso, a frente ampla formada pelo Congresso Nacional, pelos governadores e pelo governo Bolsonaro estabeleceram um plano de “socorro aos estados e municípios” que estabeleceu o congelamento salarial dos servidores públicos até final de 2021. Ou seja, a frente ampla golpista estabeleceu os trabalhadores como bode expiatório.

O principal ponto de pauta da reunião conjunta dos setores do Andes foi justamente a conjuntura política. A discussão sobre a crise do governo Bolsonaro, as ameaças de golpe por parte dos militares no contexto da crise econômica e sanitária esteve presente em todas as falas.

As seções sindicais presentes na reunião por vídeo conferência discutiram este cenário de ataques contra os trabalhadores, e apesar da vacilação presente nas intervenções, as posições predominantes eram de que é preciso mobilizar, que não se pode continuar apenas com a “ militância virtual” nas redes e que é preciso atividades de ruas.

O Andes é uma das entidades sindicais que assinaram o pedido popular pelo impeachment. O representante de educadores em luta presente na reunião salientou a importância da mobilização efetiva, e que não se pode esperar que o Congresso Nacional dominado pelo centrão possa aprovar uma saída progressista. Além do mais, é preciso uma campanha pelo Fora Bolsonaro, novas eleições. O pedido do impeachment tem que se visto como ponto de partida para uma mobilização popular pela derrubada não somente de Bolsonaro, mas de todo regime golpista;

Por fim, foi definida a participação do Andes no calendário de mobilização aprovada pelas frentes (frente popular e frente povo sem medo). A tarefa colocada é a construção de uma unidade no movimento docente para lutar pelo reivindicações dos trabalhadores, pela defesa da universidade pública e pelo Fora Bolsonaro e todos os golpistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas