Movimento estudantil
A mobilização em torno do Fundo é tudo que a direita precisa para colocar à frente pautas como o retorno criminoso das aulas presencias e o avanço do sucateamento da educação
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
WhatsApp-Image-2020-08-10-at-22.30.16-750x375-1
A volta às aulas sob a pandemia tem sido um grande desastre. Um atentado contra a vida dos jovens | Foto: Reprodução/Redes Sociais

Há a tentativa, entre a política das entidades estudantis, de promover nas redes sociais um debate acerca da aprovação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação(FUNDEB).

O debate busca viabilizar uma mobilização para a regulamentação imediata do FUNDEB que, senão acontecer, coloca em risco os recursos de cerca de 7 milhões de estudantes em cerca de 1500 municípios brasileiros. Entretanto, é preciso voltar-se para combater pautas mais urgentes que a direita, sorrateira, adianta junto aos empresários.

De fato, a regulamentação é uma questão a ser pontuada, no entanto, a mobilização em torno disso, no momento, é tudo que a direita precisa para colocar à frente pautas como o retorno das aulas presencias e o avanço do sucateamento da educação pelo ensino à distância(EAD), isto é, colocar a população sob o risco de um genocídio, e destruir a qualidade do ensino no Brasil, abrindo as portas para os empresários capitalistas do EAD.

O EAD é uma política que a direita, financiada pelos empresários, têm bastante interesse em alavancar, visto que faz parte de um grande mercado capitalista, inclusive de escalas imperialistas. O número de eventos sobre a aprimoramento da educação à distância é financiado por empresas capitalistas vem crescendo vertiginosamente, e visam o lucro em detrimento da qualidade maior da educação presencial.

Além disso, há uma pressão dos empresários do ensino básico para voltar com as aulas presencialmente, o que já se mostrou um belo desastre. As escolas estão tendo que administrar casos de coronavírus dentro das escolas, o que coloca em risco todas as outras crianças. Nenhum pai deseja testar a resistência do corpo de seu filho ou filha.

Ou seja, a volta às aulas presenciais é uma pauta completamente impopular e, nesse sentido, é preciso que as entidades estudantis, e toda a juventude se mobilize de forma concreta, não apenas nas redes sociais, mais com atos nas ruas, denunciando os empresários, desejosos de jogar os estudantes para um verdadeiro genocídio, e mobilizando para a anulação do ano letivo, tanto no âmbito do ensino básico, como no superior.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas