Crise da Economia
A crise econômica existia antes da Pandemia.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
63532,desemprego-no-brasil-recua-para-119-em-setembro-3
Desemprego | Foto: Ag. Brasil

Enquanto os economistas dos países imperialistas debatem se a forma da retomada da economia global pós coronavirus,  será em V, W ou U (Da BBC News Mundo, 10/05/2020), sendo estas  letras uma representação do gráfico d a retomada mundial, e no Brasil a economista do mercado financeiro brasileiro, Zeina Latif (ex XP/Itaú, ING, HSBC, Ag. Estado e outros) chama o governo dando a “receita” para a burguesia diminuir seus prejuízos – “ Retomar agendas  de reformas para trazer de volta a confiança”, demonstra em quem vai recair a conta para o salvamento da crise capitalista mundial!

A verdade é que a crise existia antes da pandemia. Os mercados mundiais já davam a sinalização de que não conseguiriam solucionar os problemas de suas contradições, o que fazia que o desemprego aumentasse. Os governos pelo mundo implantaram reformas previdenciárias e trabalhistas, como forma de frear seus crescentes sinais de desaceleração.

A OCDE alegava que a crise  da desaceleração se dava por causa de mudanças climáticas, problemas pontuais de tensões comerciais e outros motivos secundários.

A discussão do formato da retomada do crescimento é uma forma de vender que a solução econômica será rápida, a receita de como sair da recessão é a forma de como persuadir a maioria da população a aceitar que ela pague os prejuízos para ter seus empregos de volta, de forma a esconder que o precipício econômico foi formado por ela (burguesia) e que a própria crise do Covid-19 foi uma responsabilidade dela.

No Brasil, a crise econômica é amplificada pela briga das direções direitistas que resultam em uma crise política. O pais que vinha sustentando suas contas externas pelo capital financeiro, hoje, diante da instabilidade de seu grupo dirigente, obrigam; por meio de ameaças palacianas, militares e milicianas, falta de comando centralizado da própria burguesia, jornalistas da imprensa burguesa a denuncia-los como sendo as incertezas da sustentabilidade jurídica, que afastam o capital imperialista no pais. Os economistas e jornalista da imprensa vendida, aproveitam desta informação estatística para vender à grande maioria do povo, que não temos saída, se não nos baixarmos para o que eles apontam como solução.

A desigualdade financeira entre as diferentes classes no Brasil fica evidenciado nos atendimentos nos hospitais (quando existe para a classe pobre) e nas declarações dos dirigentes da burguesia nacional (e internacional também). O ex ministro do  governo Temer, por exemplo, citou “hospitais privados estão quebrando por falta de acidentes de trânsito.” Para dar exemplo do porque deveríamos acabar com a quarentena (CNN, 16/05/2020). Além do pobre não poder fazer quarentena, o ex ministro quer que as pessoas se matem para manter os ganhos dos donos de hospitais.

O fato é que eles não tem ideia de como trazer de volta os empregos, que já estavam sendo destruídos aos milhares antes da pandemia, o formato da recuperação econômica, se tiver a aparência de alguma letra de nosso alfabeto, será a de um L, sendo o traço horizontal muito longo, para representar uma estagnação total.

Não resta aos trabalhadores a não ser lutar contra o genocídio que está sendo estruturado. Ir às ruas é a única saída. A quarentena não existe mais (se é que já existiu nas periferias). Hoje a quarentena só existe para uma classe capaz de sustentar com o suor alheio.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas