Resultado do golpe: para burguesia, na economia, o ano já fracassou

elie-horn-e-meyer-nigri

O jornal golpista Estado de S. Paulo publicou neste domingo (08) uma entrevista com um empresário bilionário fundador da incorporadora Cyrela. A entrevista Elie Horn, 74 anos, mostra bem o baixíssimo nível intelectual da burguesia, a escória que é a classe dominante brasileira. No entanto, o empresário de direita revela algo sobre a economia e o golpe do ponto de vista da própria burguesia.

Para o excêntrico direitista, que diz ser filantropo e defensor do “Bem”, foi triste a não aprovação da reforma da previdência, que o governo golpista fez coisas “boas”, mas ficou aquém do esperado. Horn se diz contra a miséria e que defende o bem,  a filantropia, seu lema: menos impostos mais contribuição. É defensor do liberalismo e da livre-iniciativa.

Na sua análise econômica, porém, é pessimista. Segundo este representante da escória golpista na economia: “o ano está perdido”. A economia nacional devido à política dos golpistas, está encolhendo rápida e dramaticamente, a própria burguesia brasileira o sente. Anseiam, contudo, que o golpe elimine rapidamente todos os direitos dos trabalhadores e os gastos do Estado com a população, que um meio de preservarem sua fortunas e de parte de sua dominação política, fazendo, ante as devastação econômica que o imperialismo já está realizando.

Para este ser desprezível, que quer fazer-se passar por humanitário, todos os ataques dos golpistas contra o povo, que vem condenando milhões à miséria, eliminando direitos, entregando todo a riqueza do país é, na verdade fazer o “bem”.

Contudo, a posição deste.empresário golpista mostra que a economia nacional está profundamente abalada até para a burguesia e que o governo golpista, para a burguesia está acabado.