Violência contra as mulheres
Os problemas sociais das mulheres só serão resolvidos com a organização das mesmas, não com a crença na justiça e nas leis burguesas, que só servem para reprimir e punir
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Pesquisa-inédita-mostra-violência-contra-as-mulheres-no-Nordeste
A violência contra as mulheres não será resolvida pelo Estado burguês | Foto: Reprodução

Dentre tantas opressões que as mulheres sofrem dentro da sociedade capitalista, a violência doméstica e até mesmo o assassinato de mulheres é algo recorrente, porém, apesar da demagogia, o Estado burguês não consegue controlar muito menos resolver esse problema social, afinal ele também é o causador dos problemas que esmagam as mulheres trabalhadoras cada vez mais, incluindo a violência doméstica. A violência contra as mulheres é usada amplamente de forma demagógica pelo Estado burguês como uma forma de criar mais e mais leis que reprimem e encarceram a população, enquanto nenhuma outra política é colocada em prática para resolver o problema, o que dificulta até mesmo a crença das próprias mulheres de que o problema será resolvido. No Distrito Federal, um levantamento de março de 2015 à outubro de 2020 concluiu que 60% das mulheres que foram vítimas de assassinatos sofreram agressões previamente pelos autores dos crimes, mas não chegaram a denunciar à polícia ou qualquer outro órgão.

Vemos a cada dia o crescimento de leis específicas para a violência contra as mulheres, mas ao contrário do que promete o Estado burguês, os crimes aumentaram e as mulheres continuam completamente desamparadas e sem nenhuma perspectiva de resolverem um problema tão grave. As leis e crimes criados para os problemas sociais das mulheres apenas perpetuam a política de repressão e encarceramento da população mais pobre, afinal quando a violência é praticada pela burguesia, seja a briga em família, o estupro, e até mesmo o assassinato, o judiciário não age e nenhum burguês é verdadeiramente “punido” com as leis do judiciário burguês, mostrando o seu caráter também de classe.

Além disso, as leis visam somente a punição daquele que comete o crime, não há nenhuma política que aja para que não ocorra reincidências ou que desta forma crie-se uma consciência sobre o verdadeiro papel da mulher na sociedade e sobre o quão grave é a prática de qualquer crime contra as mulheres e qualquer pessoa. As leis também não contemplam quem realmente precisa de atenção neste momento, que são as vítimas, ou seus familiares, no caso dos assassinatos, o que demonstra que o interesse é apenas punir e “mostrar serviço” para a sociedade, enquanto os problemas sociais das mulheres estão longe de serem resolvidos.

Outro problema grave para as mulheres trabalhadoras em relação à violência é a quem elas devem recorrer quando se deparam com o problema. É de conhecimento de toda população pobre o caráter da polícia, que em diversas situações não mede esforços para reprimir, assassinar, violentar e aterrorizar a vida de mulheres e homens, principalmente em regiões mais pobres e onde esse tipo de crime é ainda mais recorrente. Como as mulheres poderão confiar no aparelho que as reprime para resolver outros problemas de violência contra si dentro da sociedade?

Os problemas sociais das mulheres, como a violência doméstica, só serão verdadeiramente resolvidos com a organização das próprias trabalhadoras, com comitês de auto defesa, com políticas que resolvam o problema estrutural da sociedade que proporcionam que esses crimes aconteçam, e com uma mudança social para que a repressão e a opressão não sejam mais praticados nem contra as mulheres e nem contra os homens, e isso só será possível com a revolução social do Estado Operário, não na crença na justiça e nas leis burguesas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas