Representantes de religiões africanas ocupam Ministério da Cultura

minc

Desde última terça-feira (7) representantes de matrizes africanas, juntos a representantes indígenas, dos camponeses e periferias ocupam o prédio do Ministério da Cultura (MINC) exigindo, entre outras, uma audiência com o Ministro Sergio Sá Leitão para cobrar pautas da cultura dos povos tradicionais do País.
A Frente Liberta Matriz Africana (FLAMA) com o apoio da Confederação Nacional dos Agricultores Familiares (CONAFER) e representantes dos povos indígenas ocupam em protesto de forma pacifica o MINC. Na lista de reivindicações acerca das culturas populares tradicionais e da atuação do Ministério, que quase foi destruído pelos golpistas, tem várias exigências em relação a valorização conservação da diversidade cultural, religiosa e biológica da nação brasileira.

O país sofre um grave retrocesso no que se refere a liberdade religiosa, o governo da direita golpista e a justiça brasileira segue passando por cima das leis, como a liberdade de consciência, de religião e de culto é inviolável e garantida a todos em conformidade com a Constituição, a Declaração Universal dos Direitos do Homem.

O que nos mostra que vivemos no estado e exceção em que que a direita conservadora e racista mostra a sua verdadeira face revelada pelas igrejas evangélicas brasileiras que perseguem as religiões afro-brasileiras, como também índios, e todas as minorias reprimidas e exploradas.