O identitarismo em ação
Mais de 60% das deputadas mulheres votam sistematicamente com Bolsonaro na Câmara dos Deputados
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
O presidente Jair Bolsonaro toma café da manhã com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Tofolli, senadoras e deputadas Federais.
Café da manhã de Bolsonaro com a bancada feminina. A maioria é alinhada com o governo | Foto: Reprodução

Segundo levantamento do site Congresso em Foco, 71% das deputadas da Câmara, 55 das 77 eleitas, votaram a favor do governo Bolsonaro pelo menos metade das vezes.

Dessas, 47 votaram em mais de 75% dos casos, o que significa que 61% das mulheres eleitas servem de base fiel a Bolsonaro.

Tal fato joga uma luz sobre a ideologia identitária da representatividade. 

O pleito de 2020 foi o que contou com o maior número de mulheres candidatas, cerca de 33,6% do total, e também o de eleitos. Elas ocupam 16% dos cargos nas câmaras municipais.

A ideologia identitária prega que é importante que as mulheres tenham representatividade, como se isso por si fosse um grande avanço para a situação da mulher em geral. Amplos setores da burguesia fazem propaganda nesse sentido, tanto que no Brasil aprovaram que 30% dos candidatos a cargos proporcionais devem ser mulheres. Atualmente há muita demagogia em torno da questão. O problema é que isso não contribui para o avanço de uma política efetivamente a favor da mulher. Os dados mostrados pelo Congresso em Foco mostram isso.

A maioria das mulheres eleitas são base do governo Bolsonaro, muitas delas ligadas à bancada evangélica, que tem uma política reacionária em relação ao problema da mulher. E como se não bastasse votar contra os interesses das mulheres, elas também votam contra os interesses da população em geral.

Ideologia importada

O mesmo tipo de demagogia foi feito em relação à candidatura de Joe BIden, que tinha como vice uma mulher negra, Kamala Harris. Na campanha, Kamala Harris falava em combater o racismo estrutural, outro mantra identitário. Apesar do discurso, ela ocupou o cargo de promotora por quase 30 anos, sendo responsável nesse período pelo encarceramento de muitos negros. Devido à sua atuação “lei e ordem”, ela foi muito mal vista pela população negra na campanha eleitoral, uma vez que o problema da repressão policial e das leis de encarceramento são um problema fundamental para os negros. O próprio BIden tem uma história com o problema, já que um projeto de lei de sua autoria, de 1994, é apresentado por muitos como o responsável pelo impulsionamento do encarceramento em massa nos Estados Unidos, principalmente pela lei que prevê prisão perpétua para réus com três condenações federais por crimes violentos ou drogas.

Esquerda identitária

O mais vergonhoso é que a maior parte da esquerda pequeno-burguesa aplaude o simples fato de haver candidaturas de negros ou mulheres em nome da “representatividade”, sem levar em consideração a política que eles defendem.

O caso brasileiro mostra que a representatividade sozinha não resolve o problema. Há mulheres ocupando cargos, mas elas não são efetivamente representantes dos interesses das mulheres e sim de políticas contrárias a esses interesses.

Colocar uma mulher como Damares Alves num ministério, ou um negro como Sérgio Camargo na Fundação Zumbi dos Palmares não contribui em nada para a luta desses setores oprimidos da população. Pelo contrário, eles têm sido agentes de uma política que vai totalmente contra os interesses das mulheres e dos negros. 

A esquerda identitária prega o aumento abstrato do número de mulheres em cargos políticos. Mas concretamente quem elege essas mulheres são aqueles partidos que tem mais dinheiro e mais recursos, ou seja, da direita. 

E a direita aproveita a onda identitária, faz a sua demagogia e coloca mulheres para serem algozes do seu próprio gênero, assim como coloca negros para serem algozes da sua própria raça.

O número de mulheres em cargos públicos é um índice da situação, mas não é a solução para o problema. O aumento da participação feminina na política deve passar pela luta das mulheres por seus direitos e para que sejam eleitas representantes dessas lutas, que levarão adiante as suas reivindicações. Ainda assim, só haverá mudanças se houver uma mobilização das mulheres em torno desses problemas, caso contrário é apenas demagogia, que serve para vender a ilusão de que a situação das mulheres está melhorando, quando na prática nada muda de fato.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas