Relatório conclui que políticos golpistas vendiam registros sindicais no Ministério do Trabalho

cristiane-brasil-roberto-jeferson-20160417-001

Da redação – A Polícia Federal concluiu, nessa semana, o relatório da Operação Espúrio, que apontou a participação de 39 pessoas, entre elas políticos golpistas, em esquema de vendas de registros sindicais no Ministério do Trabalho.

Estão envolvidos na fraude os golpistas Roberto Jefferson e sua filha Cristiane Brasil, ambos do PTB. Cristiane Brasil chegou a ser nomeada ministra do Trabalho pelo golpista Michel Temer. O esquema tinha um núcleo político, operado pelos políticos que participaram do golpe de Estado, e contava com a burocracia da administração pública.

Os repasses ilegais eram cobrados para criar ou adiantar a emissão de registros sindicais, podendo um registro chegar ao valor de R$ 4 milhões. Os políticos envolvidos no caso votaram pelo impeachment de Dilma Rousseff em 2016, no marco da campanha “contra a corrupção”.

É preciso denunciar os esquemas de fraude dos golpistas envolvendo os sindicatos, mas principalmente a campanha da direita contra a organização sindical dos trabalhadores. Os trabalhadores devem ser conscientes de que um dos objetivos do golpe de Estado é destruir os sindicatos, para que a classe trabalhadora não consiga se organizar contra a exploração dos patrões.