Volta às aulas
Determinação do MEC do dia de ontem foi revogada, mas abriu um precedente para a instituição discutir a reabertura
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
UFMS
Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) | Foto: Reprodução

No dia de ontem, o Ministério da Educação (MEC) havia determinado a volta às aulas nas universidades federais a partir do dia 4 de janeiro. Após grande repercussão e também por uma série de manifestações contrárias, o MEC voltou atrás com a decisão. Essa iniciativa criminosa do MEC acabou servindo de pretexto para que a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (MS) anunciasse seu retorno às atividades para o dia 15 de março de 2021, mesmo depois do recuo do MEC. De acordo com a UFMS, esse retorno não seria presencial.

Conforme acompanhamos e denunciamos ao longo dos últimos meses em meio a pandemia, o ensino à distância foi utilizado como uma grande manobra dos capitalistas para abrir a brecha para privatização e destruição das universidades públicas, servindo como “única solução possível” para manter as aulas e assegurar qualquer tipo de isolamento social, ainda que mínimo. Neste momento, onde a crise econômica segue em decadência e sem perspectiva de melhora, a pressão atua no sentido do retorno de todo tipo de atividade econômica, incluindo a educação. De acordo com o MEC, o retorno das atividades nas universidades colocaria em circulação 2,3 milhões de pessoas entre alunos, professores e técnicos.

É interessante observar que esse retorno seja colocado no momento em que os números de contágios do corona vírus voltaram a crescer exponencialmente. O estado do Mato Grosso do Sul já chegou oficialmente aos 100 mil casos. Na capital Campo Grande, 93% dos leitos estão ocupados, tendo o Hospital Regional, referência no tratamento da covid-19 atingido 100% de ocupação dos leitos, agora pela segunda vez desde o início da pandemia.

O objetivo é colocar a população a mercê da própria sorte, independente do quadro geral da pandemia não só no Brasil, mas no mundo todo.  Apesar de a instituição mencionar que o retorno não seria presencial, devemos em primeiro lugar considerar que o EAD implementado à força nas universidades veio inicialmente como uma medida provisória e opcional, o que se mostrou uma farsa com o passar do tempo, onde universidades como a UFRJ terminou um período “excepcional” para definitivamente entrar em um período “normal”. Cabe considerar também que o ministro da educação Milton Ribeiro já repensou sobre a portaria publicada ontem sobre o retorno às aulas e pode voltar com a decisão de retomar as aulas presenciais nas universidades.

Esse tipo de pressão dos capitalistas só pode ser barrada com uma ampla e urgente mobilização dos estudantes, antes que as aulas voltem de fato, infectando milhões de pessoas. É necessário organizar os comitês de luta estudantil para barrar essa medida que implica no retorno das atividades e lutar pela suspensão do calendário acadêmico.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas