Imperialismo
Um juiz do Tribunal Superior Comercial da Inglaterra negou a devolução das reservas de ouro venezuelanas solicitada pelo Banco Central da Venezuela.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
15928777265ef1629e488d6_1592877726_3x2_rt
Presidente Nicolás Maduro | Marco Bello/ Reuters

Nesta quinta (02), um juiz do Tribunal Superior Comercial da Inglaterra negou o pedido feito pelo Banco Central da Venezuela (BCV) para a devolução das reservas de ouro venezuelanas que estão sob posse dos britânicos.

O Banco Central da Venezuela anunciou que vai apelar da sentença inglesa. Esta foi qualificada como “absurda e insólita”. No contexto da pandemia do Covid-19, os ingleses procuram privar o país sul-americano de recursos legítimos e necessários para enfrentar a doença. São 31 toneladas em barras de ouro que têm valor estimado de 1 bilhão de dólares (aproximadamente 5 bilhões de reais).

A sentença do Tribunal Comercial alega que os britânicos reconhecem o deputado autodeclarado presidente Juan Guaidó como presidente da República Bolivariana da Venezuela. Em resposta, o BCV disse que os britânicos desconhecem a realidade, uma vez que Londres mantém relações diplomáticas com Caracas e que o presidente eleito Nicolás Maduro é o chefe de todas as instituições administrativas de Estado. Além disso, nenhum dos membros da chamada Junta Diretiva nomeada por Guaidó vive na nação sul-americana. A continuidade das relações diplomáticas é a prova de que, de fato, os ingleses reconhecem o governo Maduro.

A negativa britânica caracteriza a situação como um verdadeiro roubo de recursos de outro país. Trata-se de uma pilhagem imperialista cometida contra o Banco Central da Venezuela e contra o povo venezuelano em seu conjunto. O objetivo é impedir o acesso aos recursos legítimos do país, que serão usados no enfrentamento à pandemia do Covid-19, dentro de um plano de golpe de Estado contra o presidente Nicolás Maduro e as forças populares.

O imperialismo britânico, proclamado ao mundo como “democrático”, não tem qualquer sensibilidade em relação aos destinos do país sul-americano, nem mesmo no contexto da pandemia do coronavírus. Os britânicos estiveram diretamente envolvidos em todas as conspirações, sabotagens e ações militares contra a Venezuela. O reconhecimento de Juan Guaidó como presidente é a expressão do golpismo imperialista, que age em conjunto com os Estados Unidos e a União Europeia para saquear a Venezuela.

O bloqueio comercial, o congelamento de ativos da empresa petroleira estatal PDVSA pelos americanos, o boicote à criptomoeda Petro, o reconhecimento de Juan Guaidó como presidente, a negativa na devolução do ouro venezuelano e os ataques à economia nacional são tentativas de debilitar o governo chavista e promover o golpe de Estado.

É necessário que a esquerda promova uma ampla campanha em defesa da Venezuela e contra a ofensiva imperialista no continente.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas