O Centro é o grande perdedor
Os Conservadores, até o momento, têm conseguido atuar melhor no contexto da polarização, capturando votos da extrema-direita. A esquerda tem que radicalizar para vencer.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
corbyn
Jeremy Corbyn em campanha. Foto: twitter do candidato trabalhista (11/12/2019) |

O parlamentarista Reino Unido vai promover sua terceira eleição desde 2015, embora a previsão de eleições seja a cada 5 anos. No entanto, o Brexit aprofundou uma crise política e econômica que parece estar longe de ser controlada.

Na eleição dessa quinta-feira, dia 12 de dezembro, ingleses, escoceses, e irlandeses vão escolher os 650 membros do parlamento (na realidade, para a House of Commons, correspondente a nossa Câmara dos Deputados).

Até a dissolução do Parlamento em 06 de novembro deste ano, a Casa dos Comuns estava assim composta:

Partido Cadeiras Tendência
Conservador 298 Direita*
Trabalhista 243 Esquerda
Nacional Escocês (SNP) 35 Centro-Esquerda
Independentes 23
Liberal Democrata (LibDems) 21 Centro
Unionista Democrata (DUP) 10 Direita
Sinn Féin 7 Direita
O Grupo Independente pela Mudança 5 Centro
Plaid Cymru 4 Centro-Esquerda
Partido Verde 1 esquerda
SPK (Speaker)** 1
Vago 2
Total 650
*atualmente sob comando da ala mais radical

**é a designação para o Presidente da Câmara

 

A Rainha é quem escolhe o Primeiro-Ministro que, por sua vez, deverá ser apoiado pelo novo Parlamento.

Boris Johnson, atual Primeiro-Ministro, é da ala de extrema-direita do partido Conservador e um entusiasta da saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit). Assumiu a liderança do partido após a saída, em maio de 2019, de Theresa May, então Primeira-Ministra, uma vez que fracassou sua última tentativa de aprovar no Parlamento sua própria versão do Brexit.

Boris Johnson e Jeremy Hunt competiram pela liderança do Partido Conservador, mas Johnson ganhou apoio dos extremistas do partido e dos defensores mais entusiastas do Brexit.

Apesar de seu jeito extravagante e posições radicais quanto a temas sensíveis, é um político com boa avaliação (em sua passagem como prefeito de Londres) e que acabou por, nas últimas eleições, capturar os votos dos partidos de extrema-direita.

Ao mesmo tempo, os Trabalhistas estão internamente divididos e a figura de Jeremy Bernard Corbyn continua controversa. Com a questão do Brexit na pauta, o fato de não ser claro sobre sua posição tem sido usada pelos adversários, inclusive internos, para atacá-lo.

Os Trabalhistas perderam eleições municipais importantes em 2017 e agora trabalham para retomar sua influência em locais que sempre foram reduto do partido (como Middlesbrough South e East Cleveland).

A eleição está altamente polarizada, segundo pode-se concluir das pesquisas e dos discursos dos principais candidatos. Os partidos de extrema-direita tendem a não eleger ninguém ou conquistar muito poucas cadeiras, uma vez que os Conservadores, via Boris Johnson parecem ter capturado seus eleitores. Isso acontece, porque quem está liderando o Partido Conservador é exatamente sua tendência de extrema-direita.

Por outro lado, é o discurso mais radical da esquerda que captura os votos da esquerda, motivo pelo qual Corbyn, da ala mais à esquerda do Trabalhismo, ainda consegue ser aquele que atrai grande parte desses votos. Dessa forma, o centro também se esvazia. Os únicos que, nesse contexto polarizado, parece conseguir manter sua tendência de votos são os partidos nacionalistas (Irlandês e Escocês).

Ou seja, à medida em que a radicalização aumenta, os extremos crescem e o centro murcha. Embora os dois maiores partidos sejam tradicionais, são suas alas internas mais radicais as que dirigem a captação dos votos, confirmando que será a polarização que vai determinar o resultado dessas eleições.

Boris Johnson tem, aparentemente, atuado melhor, pois é um extremista legitimo e conhecido como tal. Soube bem usar a questão do Brexit em seu favor, colocando-se claramente favorável à saída do Reino Unido da União Europeia.

Jeremy Corbyn, por sua vez, embora sabidamente parte de uma ala do trabalhismo favorável ao Brexit, se mostra dúbio na campanha e é atacado por isso. Com um discurso radical sobre questões sociais e mudanças econômicas em favor da população, dos trabalhadores, contra o grande capital, é caricaturado como inconsistente.

A imprensa britânica tem se colocado, como em qualquer lugar do mundo, favorável aos Conservadores e atua para demonizar/ridicularizar o líder trabalhista.(1)

Mais uma vez, o que fica claro é que a esquerda, num contexto claro de polarização, não consegue se apresentar como a representante legítima do povo, inclusive no que diz respeito ao Brexit, tem vacilado e aberto o flanco para a vitória dos conservadores.

Sequer consegue fazer a denúncia do papel que a imprensa burguesa tem exercido para direcionar o voto útil para a extrema-direita, fazendo uma campanha ‘conservadora’ e mantendo um discurso suave quando comparado ao que tem feito, por exemplo, Boris Johnson.

Embora não esteja clara a tendência de que os Conservadores saiam vencedores, é importante aprender que, a essa altura, os Trabalhistas poderiam ter assegurado uma maior vantagem se abandonassem a postura conciliatória e não tivessem medo de assumir mais claramente um lado, o do povo, mesmo em algo controverso como o Brexit – Respeitar o resultado do referendo é o mínimo que poderiam fazer.

______________________

NOTA:

(1) Alem de inconsistente e dúbio, por causa do Brexit, a imprensa burguesa tem insistido em marca-lo como antissemita, por causa de sua postura pró-palestina.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas