Reino Unido: congresso do Partido Conservador revela crise interna da burguesia

may-johnson

Com o decorrer do Congresso do Partido Conservador britânico, um dos mais tradicionais partidos da burguesia inglesa, aprofunda-se a crise interna dentro do partido, que expressa uma luta política dentro da própria burguesia. O evento está revelando uma divisão no principal setor do imperialismo e uma dissidência política.

O historiador e político britânico, antigo ministro das relações exteriores de Theresa May (conservadora), atual primeira-ministra da Inglaterra, Boris Johnson tem dado declarações no sentido de que não está apoiando a proposta de May. Começando pelo fato de que o imperialismo foi contra a política de sair da União Européia, uma aliança do continente totalmente em crise, setores mais da direita do partido conservador, como Boris Johnson, assim como setores ligados à classe operária do partido trabalhista, defenderam o chamado Brexit – a saída da UE.

Agora, o partido conservador, que governa o país, encontra-se em um novo impasse: após 2 anos do plebiscito onde a população decidiu a saída do país da UE, os conservadores ainda não conseguiram dar solução para esta questão, isto é, ainda não realizaram a saída e o prazo já está se esgotando. Uma das propostas do imperialismo é a realização de um novo plebiscito para decidir. Arrastaram a situação até agora para pedir um novo plebiscito, passando por cima da decisão da população, demonstrando que só respeitam um resultado quando é favorável para eles.

Entretanto, essa proposta, como é muito golpista e anti-popular, não obteve apoio nem dentro da burguesia. Agora a política dos conservadores é o que os ingleses chamam de Checkers, uma articulação do imperialismo para tirar a Inglaterra da UE, porém com uma política da aliança econômica que não acaba de fato com as relações já existentes dentro da aliança europeia. Uma maneira de dar um golpe por detrás dos panos. Setores mais à direita dos conservadores, como Boris Johnson, defende a tese de que deve-se sair completamente, caso contrário, os conservadores não vão conseguir sair da crise que vivenciam, dando espaço para a extrema-direita e para a extrema-esquerda.

Em outras palavras: irá gerar uma crise política que aumentará a polarização. O governo May, por conta desta crise, se encontra em uma tal crise que está ameaçado de cair, para ou formar um novo governo ou convocar novas eleições. O problema é que, com um novo governo conservador, a crise não fará mais que se estender, já que a própria May foi colocada no poder por via indireta, com a crise de seu antecedente do mesmo partido, David Cameron, e um novo governo formado indiretamente seria ainda pior para a situação política.

Por outro lado, chamando novas eleições, a crise se aumenta ainda mais, pois quem mais tem chance de ganhar em eventuais eleições é o candidato do Partido Trabalhista inglês, Jeremy Corbyn, um político ligado à classe operária, aos sindicatos e aos setores populares. Por conta desta situação é que a burguesia inglesa se encontra em um impasse difícil de resolver. E a crise está se refletindo nos dois principais partidos do regime político inglês.