A namoradinha fascista
Regina Duarte, mais uma fascista que sai desse governo que mesmo assim continua seu ataque contra a arte e a cultura do Brasil.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
regina_duarte_II (1)
Regina Duarte durante a entrevista na TV Foto: reprodução |

Com a última polêmica surgida em torno da saída da celebridade fascista Regina Duarte do Ministério da Cultura após dois meses e meio de ter assumido o cargo de secretária especial , onde foi “fritada” deste, depois de muita crise e falatório. A atriz é mais um nome que sai desse desgoverno que vai continuar com seu projeto contra a arte e a cultura no Brasil que já destruiu o Ministério da Cultura com a criação de uma secretaria falsa e que na verdade serve para planejar ataques à cultura.

Segundo notícias, Bolsonaro sugeriu que a atriz assumirá a Cinemateca Brasileira em São Paulo, onde se localiza ao lado da residência de Regina Duarte, pra desespero dos que apreciam e frequentam o local. E para a secretaria, o presidente colocará no lugar dela outro ator global, Mario Frias, que também não tem nenhum destaque verdadeiro ou alguma relação com a arte e a cultura em sua essência, pois nunca fizeram nada de mais além de reproduzir demagogia usada pela emissora para desviar a atenção das pessoas daquilo que realmente importa para notícias e programas bobos, que estão muito longe de ser arte, que serve para comércio apenas e não para verdadeira expressão. Na verdade não existe nenhum programa para a cultura no Brasil por esse governo fascista e golpista que está no poder.

No entanto, os golpistas que estão no poder, continuam com seu projeto contra a cultura do país, que já vem desde o governo de Michel Temer, ou seja, desde de que houve o golpe no Brasil, desde de 2016. Pois a primeira investida dele foi querer acabar com o Ministério da Cultura, coisa que só aconteceu por um certo período, mas o ex-presidente golpista teve que voltar atrás após várias ocupações em sedes culturais como a FUNART e o próprio Ministério pelos trabalhadores da cultura.

Essa secretaria, criada pelo governo eleito por eleições fraudulentas, é apenas uma fachada só pra dizer que ainda estão sendo feito algo em relação a arte e a cultura. O que não é verdade, um exemplo foi o filme brasileiro Marighella, dirigido por Wagner Moura de 2019, baseado na vida de Carlos Marighella, que foi censurado adiando a sua estréia que não houve até agora aqui no Brasil.

“Com esses ministros, é preferível que Cultura não tenha ministério”. A frase dita pelo cantor Chico Buarque ao EL PAÍS, mostra o que apavora grande parte do setor artístico neste governo golpista. Como todo bom fascista que se preze, Bolsonaro e seus golpistas não tem nenhum apreço pela arte, pela cultura, por aquilo que é bonito, que agrada. Pelo contrário, somente apreciam o que é amargo, o que é ruim. É um governo que precisa ser derrubado pelo povo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas