Pobres pagarão mais
A primeira parte, de quatro, mostra o que deseja o governo, fazer trabalhadores pagarem mais e desonerar os ricos, empresários e rentistas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
DF - ENTREGA-REFORMA-TRIBUT¡RIA-CONGRESSO-NACIONAL - POLÕTICA - Ministro da Economia Paulo Guedes e o Presidente da C‚mara Rodrigo Maia durante entrega da do reforma tribut·ria feira pelo governo no Congresso Nacional, na cidade de BrasÌlia, DF, nesta terÁa feira, 21. 21/07/2020 - Foto: FREDERICO BRASIL/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTAD√O CONTE⁄DO
Ministro da Economia quer mais impostos nas costas dos trabalhadores | Foto: Divulgação

O governo do presidente ilegítimo Bolsonaro entregou, na terça-feira (21), ao Congresso Nacional o que diz ser a primeira parte de sua proposta de reforma tributária. Até agora, o ministro da Economia, Paulo Guedes, informa que a reforma terá quatro partes. O secretário especial da Receita Federal, José Tostes Neto, estimou que entre 20 e 30 dias o governo encaminhará uma ou mais partes restantes da reforma

Na proposta entregue, o governo propõe a unificação do PIS/Pasep (Programa de Integração Social e Formação do Patrimônio do Servidor Público) e da Cofins (Contribuição sobre o Financiamento da Seguridade Social) em um único imposto sobre valor agregado (IVA) que se chamará CBS (Contribuição sobre Bens e Serviços) e terá uma alíquota única de 12%, menos para os bancos, que pagarão um pouco menos que a metade disso, 5,8%. Ficam isentos da CBS “produtos da cesta básica; serviços de saúde custeados pelo SUS; transporte coletivo de passageiros; templos religiosos; sindicatos; partidos políticos; instituições e fundações filantrópicas; e entidades e conselhos de classe. Além dos bancos que pagarão uma alíquota menor, haverá modelos especiais para produtos da área de óleo e gás e pequenos agricultores” (Gazeta do Povo, 21/7/2020).

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), mostrou-se simpático à proposta e afirmou que o projeto do governo “tem muita convergência” com as propostas de emenda à Constituição sobre reforma tributária discutidas na Câmara (45 de 2019) e no Senado (110 de 2019) (Poder 360, 21/7/2020). A mesma adesão foi manifestada pelo presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que afirmou que “hoje demos mais um passo significativo para fazer a sonhada reforma tributária brasileira”.

A Comissão Mista do Congresso Nacional, que estava discutindo as propostas de reforma tributária e teve suas reuniões paralisadas em função da pandemia até a semana passada, analisará as três propostas e, segundo o presidente da Câmara, vai criar um texto de consenso que não altere a Constituição e que deverá ser aprovado ainda neste ano. A proposta do governo tem precedência e será analisada em regime de urgência.

No Congresso a proposta governamental está sendo considerada tímida, como afirmaram parlamentares muito ligados aos empresários apesar de concordarem com a postura do governo de continuar colocando a maior parte do peso tributário sobre as constas dos trabalhadores. Uma das disputas entre os burocratas do Ministério da Economia e o Congresso está na oneração da cesta básica. O governo sempre defendeu uma reoneração e o Congresso dizia que isso iria repercutir mal. A proposta atual vem com um aceno de não oneração da cesta básica, mas “a assessora especial do ministro da Economia, Vanessa Rahal Canado, afirmou que o governo não desistiu de reonerar a cesta básica, mas que retomará o tema no Renda Brasil, programa de transferência de renda que substituirá o Bolsa Família” (MoneyTimes/Reuters, 21/7/2020).

Apesar de dizer que as partes relativas aos impostos que atingem os capitalistas e rentistas ainda serão tratadas, a maioria conservadora do Congresso e o próprio ministro da Economia são contrários a qualquer imposto que atinja os ricos. Concordam que os pobres paguem mais impostos, mas desde que isso seja disfarçado, pois sempre temem o impacto eleitoral dessas medidas.

O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco Nacional) disse que a mudança proposta é “tímida, decepciona em relação à esperada simplificação e pode gerar aumento da carga tributária” no país. Os trabalhadores precisam se organizar para por abaixo o regime dos exploradores, que querem até a última gota de sangue do povo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas