“Reforma” trabalhista não vale a maioria dos trabalhadores, dizem 700 juízes

reforma trabalhista

Conforme aprovada a “reforma” trabalhista, que representa um verdadeiro massacre contra os direitos dos trabalhadores no País, vemos agora tal qual a reforma vem sendo imposta para os trabalhadores. Além da perda de diversos direitos antes garantidos, essa também foi uma manobra de enfraquecimento dos sindicatos, instrumento fundamental da organização dos trabalhadores também duramente atacados com o fim do imposto sindical. O regime golpista, de fato, rasgou a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

No 19º Congresso Nacional da Anamatra ( Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho), com cerca de 700 juízes, reafirmou-se que a reforma trabalhista, ou seja, o desmantelamento da garantia de direitos dos trabalhadores, apenas afetaria os novos contratos após sua aprovação em novembro do ano passado, logo a maioria dos trabalhadores não iriam ser atingidos pelas mudanças feitas na legislação. Além de colocarem que a ação diante do imposto sindical da maneira tal qual fora realizada, se deu de maneira inconstitucional.

Fato é, de qualquer maneira o trabalhador será fortemente atacado pela reforma, assim como já vem acontecendo. A verdade é, que milhares de trabalhadores vêm sendo demitidos justamente para que se contrate novos de acordo com as normas estabelecidas pela reforma trabalhista. Não se deve acreditar de modo algum que os trabalhadores “não” serão atingidos pela mesma, ainda que estivessem empregados pela legislação anterior, o golpe foi contra a população e seus direitos fundamentais.

Por isso, é preciso ter claro que a ação dos golpistas não será revogada lutando somente contra essa medida, mas contra o golpe de Estado de conjunto.  Os trabalhadores precisam se organizar diante do fortalecimento de suas organizações que vem sendo duramente atacadas por mais esse avanço da direita golpista. A reforma trabalhista, é apenas mais uma dentro do pacote de destruição que os golpistas estão colocando em prática, para tanto, a luta contra o golpe deve se impor.