Reforma da previdência só é bom para os outros: general bolsonarista é contra fim da previdência para militares

foto militares

Sob as ordens dos donos do golpe, que tem como funcionário linha de frente o ministro da Economia o banqueiro Paulo Guedes, colocado nesse posto pelos imperialismo e seus pares banqueiros, para promover o assalto à população e ao país, já determinou como a sua primeira grande tarefa a liquidação da aposentadoria do povo brasileiro através da Reforma da Previdência.

Como não poderia ser diferente, essa reforma é tão nefasta para a população, que os próprios golpistas que a apoiam não querem que ocorra contra eles, a começar pelos militares.

Nessa última terça-feira (8) o ministro-chefe da Secretária de Governo, general Carlos Alberto dos Santos Cruz, um dos 7 militares graduados que ocupam o 1º escalão do governo, na defesa do aparato golpista não se fez de rogado e afirmou que”Militar é uma categoria muito marcante, de farda. Militares, policiais, agentes penitenciários, Judiciário, Legislativo, Ministério Público possuem características especiais, que têm de ser consideradas e discutidas”.

Já o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, foi ainda mais taxativo ao afirmar que os militares ficarão fora das mudanças previdenciárias por possuírem carreiras diferenciadas. “As Forças Armadas são um seguro caro que toda Nação forte tem que ter. Temos uma proteção para essas especificidades da carreira. Se o nome é reforma da Previdência, não estamos nela”, disse.

Os militares foram e são um setor fundamental do golpe. Sem a participação das Forças Armadas, o golpe não teria acontecido. O nacionalismo e a pátria que dizem defender, não passa de uma fachada na tentativa de encobrir o caráter profundamente pró-imperialista das FAs do Brasil.

Os militares, assim como todos os golpistas, estão afinados na hora de destruir o país, mas não sem antes preservarem os seus interesses.

A declaração do ministro da Defesa de que “as Forças Armadas são um seguro caro que toda nação forte tem que ter” é conversa mole. No Brasil é justamente o contrário. A depender dos militares o Brasil se transformará em curto espaço de tempo em terra arrasada.