Reforma da previdência passa na CCJ: avançam os ataques contra os trabalhadores

bolsomaia

Na tarde da terça-feira (23), os juízes do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) reiteraram a condenação criminosa e arbitrária do ex-presidente Lula à prisão. À noite, os picaretas que conquistaram seus cargos por meio da fraude eleitoral de 2018 aprovaram, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da Previdência.

Os acontecimentos recentes puseram à prova, mais uma vez, o empenho dos golpistas em massacrar os trabalhadores e a população brasileira em geral.

A condenação em terceira instância do ex-presidente Lula é mais um passo do regime político para impedir que o maior líder popular saia da cadeia. A partir de agora, mesmo que o STF volte atrás e torne a prisão em segunda instância ilegal, Lula permanecerá encarcerado, visto que já foi julgado em terceira instância. A aprovação da PEC da Previdência na CCJ, por outro lado, é mais um passo dos golpistas para destruir a Previdência pública e acabar de vez com um direito trabalhista fundamental, que é o da aposentadoria.

A condenação de Lula e a aprovação da PEC da Previdência não aconteceram no mesmo dia por coincidência: são eventos complementares. A “reforma” da Previdência é uma das medidas mais impopulares do governo Bolsonaro. A revolta contra a política neoliberal do governo Bolsonaro, por sua vez, leva os trabalhadores inevitavelmente à mobilização pela liberdade de Lula, já que Lula é a única liderança que possui força suficiente para enfrentar a pressão dos capitalistas e atender a um programa de reivindicações dos explorados para essa etapa de crise do capitalismo. Manter Lula preso, portanto, era a garantia que a direita precisava para avançar com a PEC da Previdência.

Os ataques da direita ao movimento operário na última terça-feira não esgotam as perspectivas de luta dos trabalhadores. Independentemente do que foi aprovado nas instituições controladas pela burguesia, é necessário organizar uma mobilização ampla, que seja capaz de barrar a “reforma” da Previdência na marra, derrube o governo ilegítimo de Jair Bolsonaro e tire Lula das masmorras de Curitiba.