“Reforma” da previdência irá forçar as mulheres do campo a trabalharem em média 50 anos para se aposentar

20130520agricultura-familiar-capa

A proposta de “reforma” da previdência, um verdadeiro roubo do dinheiro dos trabalhadores em prol dos grandes capitalistas, irá impactar de maneira ainda mais dura as mulheres camponesas. Uma matéria publicada pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, o MST, demonstrou que a mudança na idade e no tempo de contribuição para os trabalhadores do campo irá aprofundar a situação de desigualdade vivenciada pelas camponesas.

A proposta do governo golpista quer igualar a idade mínima de homens e mulheres, trabalhadores rurais, em 60 anos. Ocorre que as mulheres camponesas começam a trabalhar muito cedo, cerca de 70% das trabalhadoras do campo começam a trabalhar aos 14 anos de idade. Ou seja, uma trabalhadora do campo teria que trabalhar mais de 50 anos para conseguir se aposentar. Outro ponto que afeta diretamente a condição de vida da mulher no campo é o aumento do tempo de contribuição, de 15 para 20 anos.

O governo quer obrigar os trabalhadores rurais a contribuírem com R$ 600 para a previdência, todos os anos. Ocorre que em muitas regiões do país, devido as dificuldades, como a falta de recursos, má condições climáticas, os trabalhadores ficam longo períodos sem safra, assim eles contribuem somente quando conseguem produzir, ou de acordo com aquilo que foi produzido. A proposta dos golpistas quer obrigar os trabalhadores a contribuírem mesmo quando não haver produção, ou seja, mesmo não tendo dinheiro.

Outro fator que contribui para aprofundar a situação de exploração da mulher, trabalhadora do campo, é o fato de que as mulheres camponesas são obrigadas a cumprirem a chamada tripla jornada de trabalho. Além de trabalharem no plantio e na colheita, precisam cuidar da casa, do filhos, etc. Nesse sentido, a “reforma” impõe uma verdadeira situação de escravidão às mulheres camponesas.

A única forma de impor uma verdadeira derrota a essa política de assalto aos trabalhadores é por meio de uma luta de conjunto contra todo o regime golpista. É necessário unificar todos os setores explorados por trás da palavra de ordem de Fora Bolsonaro e todos os golpistas! Exigir também a liberdade de Lula e a convocação de Eleições Gerais, com a participação de Lula.