Outra PEC da Morte
Governo prepara a mais completa devastação dos direitos do povo em benefício dos bancos e empresas capitalistas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
cce1b632-9fba-4026-bda3-e78798bfb26a
Congresso Nacional | Foto: Senado Federal

Em matéria do jornal Extra Classe, Maria Lucia Fattorelli denuncia que  as PECs 32 e 186 que estão em análise no congresso nacional, se aprovadas representarão o desmonte do estado brasileiro e o aumento de privilégios para os bancos.

Como os parâmetros que nortearam a criação das medidas são os gastos do governo e a dívida pública, elas atuam no sentido de frear os gastos do governo automaticamente toda vez que a expansão da dívida assim necessitar. Tanto nos governos federal, estadual e municipal.

Isso implica na redução dos salários dos servidores, por meio de um gatilho previsto na PEC 186, incluindo perda de plano de carreira, regime jurídico único, terceirização das atividades e até mesmo a extinção de todo o ministério com uma simples canetada num decreto presidencial.

O resultado será a redução da estrutura do estado, piora na qualidade dos serviços prestados, prejudicando o desenvolvimento do país e atingindo diretamente a democracia. Tudo isso para preservar e ampliar o pagamento da dívida aos bancos, aumentando os gastos financeiros pelo estado.

No setor privado menos de 30 milhões de empregados têm carteira assinada. No setor público federal, estadual e municipal somados são 11,4 milhões de empregados.

A população é de 211 milhões sendo 35,5 milhões de crianças e 30,3 milhões de idosos e mais uma quantidade gigantesca de informais, desocupados e abandonados.

A pandemia revelou o tamanho da miséria no país, quando 107 milhões pediram o auxílio emergencial e desses 70 milhões receberam. Com os serviços públicos básicos privatizados o total da população excluída deles será de 50%, ferindo o artigo 6º da Constituição e nos afastando ainda mais da democracia.

A PEC 32 altera o artigo 37 da Constituição, autorizando a iniciativa privada a atuar em qualquer serviço público e colocando o estado em ações subsidiárias onde a iniciativa privada não tiver interesse em atuar.

E também dá poderes de império ao presidente, que por um simples decreto pode extinguir cargos públicos, ministérios, autarquias e fundações subordinadas à presidência, sem necessidade de passar pelo crivo do congresso. Tais como as agências reguladoras, universidades, Ibama, Fiocruz, Inpe e etc. A saúde e a educação estão nessa lista também.

Ao mesmo tempo analisa a situação do Banco Central. Diz que um estudo apontado como justificativa da PEC 32, onde o Banco Mundial coloca que nas décadas de 1995 a 2015 os gastos do governo subiram muito colocando em risco a sustentabilidade fiscal.

Porém, nessas décadas o governo apresentou superávit fiscal de 1 trilhão de reais, considerando as receitas e os gastos do governo excluído os pagamentos da dívida pública. 

Então fica comprovado que é a dívida que provoca o déficit, não as despesas com funcionários e serviços oferecidos pelo estado. E estão localizadas no Banco Central, nos pagamentos da dívida e ainda na remuneração das sobras de caixa dos bancos. Enfim, essa política monetária é a causa dos gastos elevados.

Por isso essas PECs também querem tornar o Banco Central independente. Para garantir que esse esquema da dívida continue e o estado perca autonomia e os privilégios dos bancos continue.

O que vemos é que o governo golpista está tentando transformar em lei o que na prática já o fazem. Transferir o dinheiro que é da população, arrecadado pelos que ganham até cinco salários mínimos, para os bancos e destes para as empresas que não conseguem mais sobreviver sem a ajuda do estado.

Como a população aos poucos está tomando consciência do esquema fraudulento, precisam assegurar que o esquema não deixe de vigorar, por isso se transformam em lei com essas PECs.

O resultado é que os serviços prestados pelo estado, como saúde, educação, transportes, rodovias etc, fiquem ainda piores e explorados por empresas privadas que visam apenas lucros, e agora ainda mais gerados pelo próprio estado, com preços também maiores.

E por outro lado garantem que o estado capitalista vá se mantendo no poder através de leis que tiram os benefícios do povo trabalhador e ainda garantem menos liberdades para lutar nas ruas contra o sistema autoritário que cresce a cada dia.

Com saúde, educação, e todos os serviços do estado sendo privatizados, só terá acesso quem puder pagar o preço exigido pelas empresas. Quem não tiver como pagar ficará sem atendimento médico, sem escolas para os filhos, sem os direitos básicos de qualquer cidadão.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas