Reestruturação executada, pelo governo golpista, no Banco do Nordeste piorou a situação dos clientes e bancários

bna

A reestruturação que vem sendo executada pelo governo golpista de Michel Temer, no Banco do Nordeste, com a desculpa de um “crescimento das operações digitais como um dos fatores que norteiam as mudanças organizacionais na empresa” já deu provas que tais “mudanças” eram conversa para boi dormir para tentar enganar os mais incautos. O que realmente está por trás de tais medidas é a política de privatização e entrega de mais um patrimônio do povo brasileiro na mão dos banqueiros parasitas nacionais e internacionais, de olho nos números apresentados pelo banco que rendeu um lucro líquido de R$ 681,7 milhões só ano passado.

A reestruturação tem como um dos objetivos “enxugar” o quadro funcional, fechar agências, descomissionamentos, rebaixamento salarial etc., com o objetivo de sucatear do banco e assim preparar a “opinião pública” com a tradicional campanha da direita golpista de que é preciso privatizar.

As mudanças já estão mostrando os seus efeitos nas cidades de Picos e Parnaíba, no Estado do Piauí. Essas agências, por falta de pessoal, não estão dando conta da demanda de serviços. Os trabalhadores bancários reclamam de ter dias, principalmente nos dias de pico quando há pagamento de salários e vencimentos de contas, de saírem do trabalho às 11h da noite e de ficarem atendendo clientes até às 19h.

A política econômica dos golpista é de terra arrasada para os trabalhadores e de toda a população, para satisfazer o apetite dos capitalistas em crise.

Os ataques desferidos às empresas estatais fazem parte de um dos fundamentos da política da direita golpista com entrega do patrimônio nacional. A luta contra a privatização do BNB é a mesma luta do conjunto dos trabalhadores contra o aprofundamento dos ataques consequência do golpe de Estado. É necessário intensificar as mobilizações contra o golpe e suas medidas através da organização de comitês de bancários contra o golpe em todo o país para barrar a ofensiva golpista de ataques aos trabalhadores e a toda a população.