Menu da Rede

Leia a nota da LCP contra as prisões de realizadas pela polícia

  • Capa
  • Uzwela
  • Os monopólios da internet e a guerra contra a cultura

Censura

Os monopólios da internet e a guerra contra a cultura

Algoritmos manipulam informações e sequestram manifestações artísticas

“Liberdade” na internet: manipulação imperialista – Cubanet

Receba o DCO no Email

Muito já se ouviu falar sobre os famosos algoritmos; pouco se discute, porém, sobre sua atuação nefasta sobre a liberdade de escolha nas redes sociais; quase nada se apresenta sobre a limitação da liberdade nas várias áreas de atuação humana.  

No YouTube, por exemplo, o algoritmo “aprende” com as interações (visualizações, curtidas, comentários etc.) e seleciona os principais posts para exibir primeiro. A rede social afirma que nenhum post é omitido dos seguidores, porém, publicações com pouca relevância são jogadas para baixo do feed. Considerando que um usuário comum segue centenas ou milhares de perfis, a visualização de um  post considerado “irrelevante” é praticamente impossível. É evidente que temas políticos e  opiniões sobre temas públicos são dirigidos da mesma forma.

Artigos Relacionados

Na aparente tranquilidade das  redes sociais, os algoritmos buscam identificar preferências de cada navegante. A cada oferta de informação, uma manipulação leva o cidadão a uma ilha de consumo, promovendo opiniões ou personalidades que mantêm os interesses dos que dominam a sociedade. Como tudo, na sociedade capitalista, gira em torno de comércio, de negócios, as redes sociais mantêm a estrutura social e impulsionam as artimanhas do imperialismo. 

Dentre as áreas de interesse do imperialismo, encontra-se o mundo das artes que, durante a pandemia, teve, como fonte de renda precária, os ambientes virtuais da internet. Não são apenas os artistas iniciantes que sofrem com essas censura; ao exibir um mamilo lactante, cartaz de Madres Paralelas, de Pedro Almodóvar, foi censurado pelo Instagram. Representantes do Instagram e do YouTube afirmam que tentam encontrar um equilíbrio entre a liberdade de expressão e a segurança dos usuários. Dizem ainda que os algoritmos estão em mudança constante para melhoria, mas admitem que erros não são raros. 

Francisco Hurtz, de 36 anos, que investiga o corpo masculino em obras que percorreram exposições de peso e estampam a pele de centenas de admiradores mundo afora, foi acusado de violar a política de nudez do Instagram. Hurtz teve sua conta excluída na semana anterior à que o mamilo lactante de Almodóvar foi censurado. Depois de um mês , diferentemente do diretor, o artista plástico não conseguiu reaver seu perfil.  O YouTube e o Intagram estão no centro dessa discussão, enquanto o Twitter, que permite a publicação até de pornografia, e o Facebook, cada vez menos popular entre os usuários, nem sequer costumam ser lembrados pelos artistas alvo de censura. 

A nudez sempre foi fonte de lucros estratosféricos, o corpo sempre foi objeto de negociatas, e os maiores beneficiários dessa orgia consumista são as mesmas pessoas que se escandalizam com a arte que julgam imoral. Na verdade, como os lucros se distribuiriam entre artistas que estão fora do mercado controlado pelo imperialismo, a forma encontrada para eliminá-los é torná-los invisíveis.

“As redes sociais, que poderiam ser fantásticas como uma maneira de articulação humana e circulação de informações, estão repetindo hábitos de uma cultura ultrapassada.” , diz a vocalista da banda Teto Preto, Laura Diaz.

Como a internet é o ambiente por meio do qual as pessoas mais se comunicam, consomem, interagem e se informam, lutar para que haja democracia na distribuição dos conteúdos é fundamental para apresentar conteúdos de esquerda que libertarão os trabalhadores, de todas as áreas, desse controle, dessa censura que facilita a divulgação de informação e arte manipulada por aqueles que escravizam toda a sociedade e impõem um único modo de analisar e questionar o mundo. Cá entre nós e o mundo, o mais limitado e monótono de todos!

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.