Menu da Rede

IPCA: alimentos, gás e aluguel ficam mais caros

  • Capa
  • Uzwela
  • Nelson Freire: o Brasil no topo do mundo do piano

Música brasileira

Nelson Freire: o Brasil no topo do mundo do piano

Interpretando os maiores nomes da música europeia, Nelson Freire figura entre os melhores intérpretes ao piano

Um homem que brilhava nos palcos tocando música instrumental ao vivo – Foto: Reprodução

Receba o DCO no Email

Mineiro de Boa Esperança, Nelson Freire morreu há 5 dias, no dia 1 de novembro de 2021. Considerado entre os mais geniais pianistas de todos os tempos ele aparece, somente depois de morto, com algum destaque na imprensa brasileira, depois de uma carreira brilhante mundo afora. Nelson tocou com as principais orquestras, ganhou diversos prêmios internacionais e se apresentou nas principais salas de concerto. Gravou diversos discos com as obras dos principais compositores de piano e em 2003 foi lançado um documentário contando sua trajetória prodigiosa.

O pequeno destaque dado ao artista no Brasil, quando vivo, tem explicações. Primeiro, não há interesse em difusão cultural no país, ficando a arte erudita restrita a círculos intelectuais.

Artigos Relacionados

Depois o período de sua juventude, quando impressionava plateias pelo virtuosismo precoce, o Brasil passava por uma ditadura que obrigou todos que podiam a procurarem refúgio fora daqui.

Nelson Freire impressionou a família aos 3 anos, quando tocou melodias que havia memorizado apenas ouvindo as aulas da irmã. Aos 5 anos deu seu primeiro concerto e levou a família a se mudar para o Rio de Janeiro em busca de professores que pudessem acompanhar o rápido aprendizado do garoto. Aos 12 anos ficou em 9º lugar em um concurso internacional de piano, apresentando um Concerto para Piano de Beethoven. Premiado com uma bolsa de estudos por JK ele partiu para Viena, daí sua carreira é uma sequência de feitos até o final da vida, sendo aclamado onde tocava.

nelsonfreire jovem
Nelson Freire, anos 70

Ao contrário do que diz o senso comum, que coloca a música erudita como sendo algo que apenas iniciados poderiam compreender e assim a burguesia tira o acesso dos trabalhadores à alta cultura, as apresentações de Nelson Freire comoviam tanto músicos e críticos especializados quanto o público leigo. Ouvi-lo tocar poderia provocar alguma dúvida se era realmente piano, tão único era o som que ele conseguia tirar do instrumento. Era praticamente uma unanimidade e não demonstrava nenhuma arrogância, tratando seu próprio talento com muita naturalidade, o que fica claro no documentário com seu nome.

Em 2016 foi homenageado pela UFMG, recebendo o título de Doutor Honoris Causa, quando o reconhecimento do saber é concedido pela honra, sem passar pela tradição acadêmica.

Seguindo a preferência pela presença do público como outras lendas do piano, como Sviatoslav Richter e Arturo Beneddetti Michelangelli, Nelson Freire era um músico de palco. Brilhava ao vivo, solo, em grupos pequenos, duetos ou acompanhado de Orquestra. Uma das suas parcerias mais destacadas foi com a pianista argentina Martha Argerich com quem ele se apresentou inúmeras vezes. Seus principais CD’s foram gravados ao vivo e só realizou gravações em estúdio depois de muita insistência das gravadoras, defendendo que a música só seria possível ao vivo.

nelson freire e martha
Nelson e Martha Argerich

Foi casado com o médico Miguel Rosário que morreu há alguns anos. Era parente de diversas celebridades brasileiras como Rubem Alves, Selton e Danton Melo, Wagner Tiso, Fátima Freire, Aureliano Chaves e outros. Mesmo assim, nunca foi tratado com destaque pela imprensa golpista brasileira, que dá atenção a tudo que é importado, mas ignorou um dos maiores pianistas do mundo, nascido no Brasil.

Já no exterior, Nelson Freire sempre foi aclamado como um dos maiores pianistas brasileiros provocando uma contradição que faz alguns estrangeiros pensarem que o Brasil tem uma tradição de Ensino de Música erudita bem estabelecida. Sendo na verdade a exceção que demonstra ser possível um garoto do interior de Minas desenvolver o domínio de um instrumento típico da música europeia com tanta genialidade mesmo sem acesso a escolas de música no Brasil.

Nelson Freire sofreu uma queda caminhando na calçada em 2019, quebrou o braço e não pôde voltar aos palcos por conta da pandemia de COVID-19. Os amigos próximos relatam que ele se andava muito triste, pois acreditava que nunca voltaria a tocar como antes.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.