Menu da Rede

cuba

Esquerda brasileira sai em defesa da revolução cubana; acompanhe

  • Capa
  • Uzwela
  • Nelson Cavaquinho: poeta da Mangueira e do Brasil

Poeta da classe trabalhadora

Nelson Cavaquinho: poeta da Mangueira e do Brasil

Nascimento de Grande Sambista Carioca completa 109 anos. Canções que expressam os sentimentos e a angústia da vida estão presentes na rodas de sambas pelo Brasil

Nelson Cavaquinho – Fernado Carmo site Flick

Receba o DCO no Email

Hoje, se Nelson Antonio da Silva fosse vivo, completaria 109 anos de vida. Contudo, acabou por falecer em 18 de fevereiro de 1986, seis dias depois de ver sua escola de samba campeã do carnaval em razão das complicações de uma enfisema pulmonar. Entretanto, quem gosta de frequentar as rodas de samba, sabe que ele continua bastante vivo na memória dos amantes da musica brasileira. Músicas como “a Flor e o Espinho”, “Juízo Final”, “Folhas Secas” fazem parte obrigatória das melhores rodas de samba.

Nelson Cavaquinho como sempre foi conhecido, filho de um contramestre da Banda da Polícia Militar e de uma lavadeira do Convento de Santa Teresa, se notabilizou na juventude pela maneira que tocava o instrumento com dois dedos da mão direita. Técnica que levou para o violão.

Artigos Relacionados

Segundo o Dicionário Cravo Alvin, o pai da sua noiva, Alice Ferreira Neves, conseguiu que ele entrasse na Cavalaria da Policia Militar. Das rondas montadas nas ruas do Morro da Mangueira brotou as amizades com Carlos Cachaça e Cartola entre outros além de várias punições já que o seu cavalo voltava sozinho, enquanto ele ficava nas rodas de samba e na boemia. O tempo de prisão no batalhão produziu a obra “Entre a cruz e a espada”.

A carreira artística de Cavaquinho assim como a sua vida foram cheias de subidas e descidas. Em 1939 teve a sua primeira música gravada pelo cantor Alcides Gerardi sem repercussão, época que já tinha saído da Policia para não ser expulso. Esta foi a primeira gravação, tendo músicas gravadas por Cyro Monteiro, Dalva de Oliveira e Elizeth Cardoso. Estas gravações não garantiam o seu sustento, completado por show em bares pelos subúrbios.

Em 1952 se mudou para o morro para a Mangueira em 1952, já separado de Alice, pai de quatro filhos. Desta época é o inicio da sua parceria com Guilherme de Brito. Em 1957 o cantor Raul Moreno realizou a primeira gravação de “A Flor e o Espinho”, fruto daquela parceria. Música que seria gravada depois por Elizeth Cardoso (1965), Maria Bethânia (2019).

Em 1961 participa dos shows do restaurante de Cartola na Rua da Carioca no centro do Rio, forma o grupo “A Voz do Morro” com Cartola, Nuno Veloso, Zé Kéti e Jorge Santana que infelizmente só teve uma aparição em um programa de televisão.

Após o inicio da ditadura militar, Elizeth Cardoso grava dois discos que possuem composições dele.  Em 1966 Nara Leão grava “Pranto de poeta” (c/ Guilherme de Brito) e a cantora Thelma Soares lança um disco só composições de Cavaquinho, sendo que ele já tinha passado a tocar violão. Neste disco ele interpreta “Cuidado com a outra” (c/ Augusto Tomás Júnior), “História de um valente” (c/ José Ribeiro de Souza) e “Rei sem trono” (c/ Alberto Jesus). E junto com Moreira da Silva e João do Vale, apresentou o show “A voz do povo”.

Em 1970, lançou, pela etiqueta Castelinho, o seu primeiro LP, “Depoimento de poeta” que seria relançado em 1974 pela Continental.

Nelson Cavaquinho lançou poucos discos. Além do primeiro, a gravadora RCA Vitor “Nelson Cavaquinho-Série Documento” em 1972. A gravadora Odeon lançou “Nelson Cavaquinho” em 1973. Já no fim da vida foi lançado o LP “Flores em vida”. O disco contou com a participação de vários artistas, entre eles Chico Buarque, Mauro Duarte, Paulinho da Viola, Beth Carvalho, João Bosco e Toquinho.

Suas composições retratam as desventuras da vida, desamores, despedidas e morte com grande melancolia ainda que tenha se conduzido sempre com simplicidade e leveza.

É possível conhecer esse grande poeta e compositor, retrato da classe trabalhadora brasileira, tanto no documentário curta metragem de Leon Hirszman de 1969, como nas gravações disponíveis na internet.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.