Máquina de exterminio do povo

Pelo fim da PM: PM negro é agredido em abordagem da polícia

Policial é torturado e preso por outros policiais em MG

policial (2)

PM’s em MG agridem mulher – foto: reprodução

O que era para ser só um passeio com a filha de 4 anos, acabou virando um tormento para o PM Anderson César da Silva, em Barbacena, Minas Gerais. Anderson foi abordado por outros policiais, que, segundo ele, agiram com truculência e o trataram como um abusador.

Anderson é negro e acusa os policiais de tortura e racismo. Ele chegou a ser preso por desacato e agora aguarda o desfecho do caso na Justiça.

Anderson tem 32 anos, é militar e estava com a filha, de 4 anos, três policiais foram ao local depois que receberam uma denúncia pelo telefone. Segundo a informação era de que havia “um homem alto, de cor parda, levando uma criança pequena em direção a uma mata, e que a criança estaria chorando”. Anderson conta que se apresentou como policial e se identificou como pai da menina e diz que foi vítima de racismo e agredido pelos policiais.

Artigos Relacionados

De acordo com o boletim, a pessoa que fez a denúncia ainda ajudou os PMs a localizar Anderson e a filha e “não chegou a presenciar a abordagem policial em relação ao autor”, ou seja, informou que não viu a ação, mas teria escutado “os policiais proferindo os dizeres típicos de abordagem”.

Em um vídeo gravado por um morador da cidade, é possível ouvir o barulho de tiros. Os tiros foram no cachorro de Anderson. No boletim de ocorrência, os policiais relataram que ele deu ordens de ataque ao cão em direção à equipe.

Anderson ficou 13 dias preso, nesse meio tempo, a mulher dele levou a filha para fazer exames e laudos médicos, com receio de ter havido algum tipo de abuso, caso que foi negativado após os resultados.

Por causa da ocorrência, a Promotoria de Justiça Militar de Minas Gerais denunciou Anderson por: desobediência, desacato ao superior, ameaça, resistência mediante ameaça ou violência e lesão corporal. Se condenado, a pena pode passar de oito anos.

A denúncia traz trechos muito parecidos com o boletim de ocorrência registrado pelos policiais. Durante a investigação da Promotoria de Justiça Militar, Anderson não foi ouvido. A Defensoria Pública está acompanhando o caso.

O caso foi no dia 14 de janeiro. Em junho, a Promotoria de Justiça Militar denunciou Anderson e, paralelamente, em setembro, a mulher de Anderson procurou o Ministério Público para denunciar a abordagem policial.

A pedido do MP, a Polícia Militar em Barbacena já abriu um procedimento interno para investigar a conduta dos PMs durante a ação. A representação aponta ocorrência de racismo, tortura e lesão corporal sofridos por Anderson durante a abordagem.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.