Menu da Rede

Rui Costa Pimenta expõe ministério neoliberal de Boric

Anterior
Próximo

Entretenimento

Arremesso de anão: a degeneração neoliberal no mundo dos esportes

Prática é reflexo do capitalismo em seu estado de putrefação, quando a cultura, a política e o esporte se transformam em lixo para a classe média consumir

“Super homenzinho” sendo arremessado na Flórida, EUA – Foto: Reprodução

Como reflexo da decadência e crise do capitalismo, nos deparamos cada vez mais com manifestações culturais e sociais estranhas. Nos esportes isso não é diferente. Tudo é desprovido de cultura e transformado em mero entretenimento para a burguesia ganhar dinheiro com o lixo consumido pela classe média.

Criado na Austrália por volta dos anos 80 e popularizado nos Estados Unidos anos depois, o arremesso de anão é uma atração encontrada em bares, boates e hotéis, que consiste em arremessar anões equipados com roupa de proteção a uma longa distância, ou até mesmo em cestas.

Artigos Relacionados

Por mais cômico que pareça, é um “esporte” muito perigoso e chegou a ser proibido em algumas cidades, como Chicago e Paris. Isso porque são recorrentes acidentes em que o anão é arremessado para fora da estrutura de amortecimento e outras formas de violência e humilhação, como ser forçado a vomitar e/ou engolir quantidades industriais de comida para todos ficarem com o mesmo peso em competições mundiais.

Quando o esporte é engraçado para alguns, mas não pode ser praticado por ser perigoso demais, o jeitinho brasileiro de se adaptar se manifesta. O programa Pânico na Band criou em 2016 uma modalidade não violenta, inspirada no Arremesso de Anão australiano, o Levantamento de Anão. O jogo consiste em usar o anão como supino e tentar levantá-lo com apenas um braço, ganha quem fizer a maior quantidade de repetições. Os competidores foram BamBam e Léo Stronda, e terminou empatado, cada um com 12 repetições.

Entre tantos absurdos, o arremesso de anão é apenas um exemplo da mais alta decadência da classe média em todos os seus setores, inclusive no cultural. Esses esportes são manifestações dos vícios e estigmas da sociedade capitalista moderna, em sua fase de putrefação.

O arremesso de anão é um esporte que “nasce” no cenário em que as relações de produção – não só na Austrália, mas em todo o mundo ─ já eram completamente destrutivas para a classe trabalhadora. Com o aumento da intensidade da exploração e privação de direitos que foram consequência dos “anos de ouro” do capitalismo, milhões de empregados foram jogados à margem da sociedade sem qualquer perspectiva de mudança e futuro.

Na ausência de oportunidades até para quem não é uma pessoa com deficiência, os anões, que não têm condições de trabalhar em muitos empregos devido a preconceitos históricos e a limitações físicas, se veem obrigados a desempenhar funções vexatórias, como “bolas de basquete humanas” e atrações humorísticas. Alguns deles enxergam o esporte como um trabalho digno por supostamente ser muito bem remunerado. Alguns anões que conseguem alcançar o posto de estrelas ganham salários proporcionais ao de senadores e não precisam trabalhar por muitas horas no dia.

“Tudo bem que é humilhante, mas é bem pago. E por pagarem bem, fica mais fácil você aceitar e se acostumar com a coisa. É estranho, nos primeiros tempos, você permitir que qualquer marmanjo te pegue pelos fundilhos e te arremesse o mais longe que puder como uma bola de boliche”, disse um anão que trabalha com o esporte em uma coluna do jornal Itu.

“Além do desconforto, há sempre um certo grau de risco envolvido. Teve um dia que fui parar no pronto-socorro, por conta de um sujeito que, ao invés de me arremessar pra frente, me jogou pro alto. Depois de voar a uns cinco metros de altura, acabei caindo fora do colchão de amortecimento e fraturei duas vértebras. É doído, admito, e aterrissar de mau jeito faz parte do negócio. Porém, quanto à grana, não tenho do que reclamar”, completou.

Uma das características do neoliberalismo, mesmo que secundárias, é a ampliação da indústria do entretenimento, transformando tudo em entretenimento ─ cultura, esporte, comunicação etc. O arremesso de anão, portanto, é puro entretenimento barato e não tem nada a ver com esporte nem com cultura. É um lixo produzido pelo neoliberalismo que submete os trabalhadores a condições degradantes de trabalho e não tem nenhuma serventia para a sociedade. Apesar de ser muito engraçado.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.