Entrega da Eletrobrás: mais um crime contra o Brasil

Bebês neoliberais

Mães são obrigadas a deixar crianças recém-nascidas em creches

Mães são obrigadas a deixar crianças recém-nascidas em creches

Professora de creche com bebê de três meses. – FolhaExpress

Mães estão tendo que deixar seus bebês com menos de dois meses na creche devido a crise econômica que assola o país, ou voltam a trabalhar, ou morrem de fome.

Uma questão importante nos debates do coletivo de Mulheres Rosa Luxemburgo do PCO, é que as mulheres possam criar seus filhos com dignidade. Frequentemente estamos apontando como as mulheres são as mais prejudicadas em qualquer situação na sociedade capitalista, e portanto, seus filhos também. 

Artigos Relacionados

Vimos que com a intensificação da crise econômica devido a pandemia do coronavírus, as mulheres foram as primeiras a perder seus empregos, ou a se demitir para poder cuidar das crianças que não tinham escola, ou dos doentes da família. 

O governo do presidente ilegítimo e fascista Jair Bolsonaro não fez nada pelas mulheres ou pelos trabalhadores em geral, os míseros R$600,00 de auxílio emergencial iniciais não davam para nada e agora o auxílio Brasil é de R$233,00, que não paga nem o leite da criança. 

Devido a essa situação as mães recém paridas estão tendo de deixar seus bebês com menos de dois meses nas creches para voltar ao trabalho, que são trabalhos informais e que portanto não lhes dão direito nenhum, nem a licença maternidade de 120 dias, que já é bem pouco. 

Vamos aqui informar que as mães neste período ainda são puérperas, isto é, a partir do momento da saída da placenta até 45 é considerado pós-parto; em relação aos bebês, os três primeiros meses são considerados meses intensos de gestação externa, e até os 18 meses gestação externa menos intensa. Acreditamos que é possível a partir destas informações compreender o quanto este período é importante para o desenvolvimento do bebê e quanto é importante a mãe estar junto dele. 

No entanto, não é possível que a mãe fique com seu filho sem nenhum tipo de amparo. Para que esse desenvolvimento seja bom, a mãe não pode estar sem condições materiais.

Na Conferência Internacional de Mulheres do Coletivo Rosa Luxemburgo do PCO, esse assunto foi abordado. No documento final consta a necessidade de que o Estado pague pelo menos um salário para as mães e pelo menos um salário para a criança até a maioridade, a creche é um dispositivo importante, mas no tempo correto, e inclusive sabemos que não há creches suficientes para as crianças, e muito menos para bebês recém nascidos.  

Não fosse suficiente essa desgraça toda a que as mulheres são submetidas, a Folha de São Paulo fez uma matéria sobre essa questão onde contam alguns casos destas mães desgraçadas por essa política neoliberal assassina, e chama nossa atenção o discurso de algumas mulheres, uma delas é a da Mariana Luz, CEO da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, organização que atua por melhores políticas para a primeira infância, ela diz: “Garantir vaga para uma criança de um ou dois meses com uma mãe nessa situação de vulnerabilidade é garantir a sobrevivência. Nós, como sociedade, precisamos entender qual é o melhor lugar para esse bebê que vive esse contexto, mas não basta só ter a vaga é preciso qualidade.” 

A qualidade é além de tudo pelo que a mãe passa, garantir o aleitamento materno, “a amamentação é importante para o fortalecimento do sistema imunológico da criança. O leite materno de cada mãe tem as propriedades necessárias e específicas para cada criança. E é o momento em que a criança forma vínculos, isso é importante para o seu desenvolvimento cognitivo e socioemocional”.  Isto é, a mãe tem que ser uma máquina, além de ter que trabalhar no pós-parto para não morrer de fome, tem que garantir a amamentação. 

Já a economista Cecilia Machado, professora da FGV e colunista da Folha de São Paulo, “a situação mostra a dualidade do aumento do mercado informal no país. Se por um lado, permite a inserção das mães no trabalho, por outro, não as garante direitos trabalhistas básicos, como a licença-maternidade”, e aproveita para puxar o saco do governo golpista, “ao menos São Paulo conseguiu estruturar uma política pública muito importante que é oferecer vaga em creche para que essas mães possam voltar a trabalhar, o que infelizmente não acontece na maioria dos municípios. Ter renda também é dar condições para o desenvolvimento da criança”.

Como nós do Coletivo de Mulheres Rosa Luxemburgo sempre apontamos, NÃO EXISTE SORORIDADE INTERCLASSES!

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.