Os verdadeiros problema do PT e da esquerda no Rio

Fim das prisões!

Entrevista: livro mostra como Estado esmaga e aprisiona os pobres

Tanto os presídios e manicômios como até mesmo políticas supostamente de assistência social servem à burguesia para oprimir a população mais vulnerável

Presidios femininos – Reprodução

─ Brasil de Fato ─ Os equipamentos da rede de assistência social e saúde, as prisões e os manicômios judiciários têm semelhanças entre si, uma vez que representam espaços de circulação e de controle de populações em situação de vulnerabilidade, em sua maioria negra, pobre e periférica. A análise é do sociólogo Fábio Mallart, no livro Findas linhas: circulações e confinamentos pelos subterrâneos de São Paulo

Mestre em Antropologia Social e Doutor em Sociologia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP), Mallart traça um itinerário de aparatos estatais, em que cada um conduzia a outro. “Quando eu cheguei às prisões eu me espantei com o número de presos e de presas que já haviam sido internados na adolescência, mas também com um fluxo considerável de internos que, durante o cumprimento das penas, eram transferidos para os manicômios judiciários”, afirma. 

A circulação de determinadas populações por uma multiplicidade de equipamentos do Estado e o confinamento dessas pessoas nesses espaços são os pontos centrais do livro. “Tem uma grande questão de um jogo entre circulação e confinamento de determinadas populações que ficam a vida inteira transitando por esses aparatos.” 

Mallart atualmente é pesquisador de pós-doutorado do Instituto de Medicina Social (IMS) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ/bolsista PNPD-Capes) e também autor do livro Cadeias dominadas: a Fundação CASA, suas dinâmicas e as trajetórias de jovens internos, publicado em 2014. 

Brasil de Fato: O livro surgiu da sua tese de doutorado. Como foi o processo de construção e a metodologia? 

Fábio Mallart: O livro é o resultado de um itinerário de um movimento, onde cada um desses espaços que eu visitava me lembrava um espaço anterior ou me conduzia a novos espaços.

Quando eu cheguei às prisões, eu me espantei com o número de presos e de presas que já haviam sido internados na adolescência, mas também com um fluxo considerável de internos que, durante o cumprimento das penas, eram transferidos para os manicômios judiciários. 

Quando eu cheguei nos manicômios, eu me deparei com muitas pessoas que tinham deixado as prisões ou que tinham passado pelas prisões, mas também com muita gente que vinha da Cracolândia.  

Durante o trabalho de campo na Cracolândia, eu encontrava com muitos homens e mulheres que vinham das prisões e dos manicômios, mas que também tinham passado por uma série de outros equipamentos de saúde e assistência social.  

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.