Candidato ao governo: “O PCO é perseguido pelo Judiciário”

A tucana fascista

Bia Doria, a “Damares” do governo de São Paulo

Sob a fachada de autoridade Bia Doria e Damares são a prova de que não basta ter mulheres na política

Responsável pelas políticas para as pessoas em situação de vulnerabilidade social, para ela “os moradores de rua não preguiçosos” e a “mulher tem que se dar um pouquinho de valor”. – Reprodução

A “primeira-dama” do estado de São Paulo, Bia Doria, casada com o governador fascista João Doria, recorrentemente vem atacando as pessoas em situação de rua. Agora, em seu último discurso conservador ofende as mulheres, ao dizer que “mulher tem que se dar um pouquinho de valor”. A imprensa burguesa não deveria tratá-la como uma autoridade, pois o que ela é de fato é um monstro fascista, inimiga dos pobres e das mulheres, assim como a ministra Damares Alves.

As semelhanças entre as duas “autoridades” não estão apenas na sua política fascista fundamentalista, e nas suas declarações odiosas e demagógicas. Damares e Bia Doria comandam duas instituições voltadas justamente para atender as pessoas em situação de vulnerabilidade social. O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, e o Fundo Social de São Paulo, respectivamente.  

Artigos Relacionados

Em 2020 Bia Doria já deixou explicita sua monstruosa mentalidade burguesa que ojeriza aos pobres, ao declarar que “os moradores de rua não preguiçosos”, que resistem em procurar abrigos porque “não querem ter responsabilidades”, que marmitas não deveriam ser doadas a moradores de rua, pois “as pessoas gostam de ficar nas ruas” e elas “têm que se conscientizar e sair dessa situação”, e ainda que “a rua hoje é um atrativo, a pessoa gosta de ficar na rua”.

Ela leva adiante a mesma política tucana de seu marido e de Bruno Covas, dois grandes inimigos da população de rua. Só para dar alguns exemplos: Um que agride os moradores de rua com jatos d’água nas madrugadas do inverno paulistana, e o outro coloca blocos de cimento debaixo de viadutos para impedir que pessoas em situação de rua utilizem o espaço como dormitórios.

Bia Doria ao ser indagada sobre o machismo, diz que vê “maldade nas mulheres… que a mulher tinha que se dar um pouquinho de valor. A gente quer que os homens nos respeitem, mas temos também que respeitar e não sermos tão agressivas e sair falando besteira. Se queremos ter igualdade, temos que nos portar à altura”, em entrevista a Universa, no dia 19 de março de 2020.

Essas declarações são tão parecidas e tão piores com as da ministra Damares que recorrentemente acusa as mulheres de serem as responsáveis pela violência, que a mulher que usa saia merece ser estuprada, dentre outras barbaridades ditas pela bolsonarista. Damares, também chegou a declarar, em uma coletiva sobre a situação dos moradores de rua na pandemia do Covid-19 que: “não são muitos [contaminados]. E por que não são muitos ainda? Ninguém pega na mão deles, ninguém abraça morador de rua, infelizmente”.

Quando se sabe, que os dados disponíveis, pelo contrário, mostram que contaminação e a taxa de mortalidade é sempre maior nas populações mais pobres, para todas as doenças, mesmo considerando que os “sem teto” não aparecem nas estatísticas, além de não terem acesso ao atendimento, muito menos aos testes para o novo coronavírus.  

A “Damares” do governo de São Paulo, avessa àqueles que deveria atender atacou essa semana o Padre Júlio Lancellotti ao declarar: “Tira um prato de comida do padre Júlio Lancellotti para ver como ele grita. Agora pergunta quantas pessoas ele tira da rua? As pessoas precisam voltar para a sociedade, as pessoas precisam tirar da cabeça esse assistencialismo”.

Bia Doria, que ensaia para ser a futura “primeira dama” do Brasil, está bem alinhada com a política da bolsonarista Damares de devastação dos poucos direitos até então conquistados pelas mulheres e pelas classes desfavorecidas. Sob a fachada de autoridade as duas são a prova de que não basta ter mulheres na política. É preciso mulheres que combatam a opressão.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.