Desespero: usada pelo imperialismo, Cynara Menezes ataca o PCO

Manipulação eleitoral

Próximo às eleições, YouTube prepara aumento da censura

Para controlar as eleições, imperialismo quer acabar com liberdade de expressão nas redes.

Tela com mensagem em inglês informando que o conteúdo acessado foi retirada por requisição governamental. – Foto: Bernard Goldbach/ Flickr.

O YouTube publicou no seu blog oficial um pacote de medidas da plataforma visando as eleições de 2022 no Brasil. Assinado pela Gerente de Políticas Públicas da empresa no país, Alana Rizzo, o comunicado se intitula “Combatendo a desinformação sobre as eleições brasileiras” e anuncia no seu subtítulo os objetivos de reduzir a “disseminação de informações enganosas e a recomendação de fontes de conteúdos confiáveis sobre as eleições”.

A cruzada “democrática” do YouTube

O pacote de medidas foi anunciado contando com quatro tópicos: “remoção de conteúdo que viole nossas políticas”, “redução da disseminação de informações enganosas e recomendação de conteúdos de fontes confiáveis sobre eleições”, “recompensar campanhas, candidatos e criadores de conteúdo sobre política” e “apoio à cidadania e ao processo democrático”. Sobre as violações às políticas do YouTube, o comunicado coloca no mesmo balaio a manipulação maliciosa de informações e informações indesejadas pelo TSE. Denúncias sobre a lisura do processo eleitoral brasileiro serão barradas pelo mesmo mecanismo proposto para impedir a veiculação de informações erradas sobre dia, horário e regras oficiais das eleições.

Uma “censura do bem”, que evitaria que eleitores não conseguissem votar, por exemplo, por terem assistido a um vídeo dizendo que as datas oficiais teriam sido adiadas, e que ao mesmo tempo silencia qualquer ceticismo em relação às instituições eleitorais ou às “sagradas” urnas eleitorais. O comunicado faz uma ressalva de que “vídeos que mostrem contexto educativo, documental, científico ou artístico” estão permitidos. Podemos ficar tranquilos em relação à veiculação de análises marxistas sobre as eleições no Brasil então?

Sobre o direcionamento de conteúdos aos usuários da plataforma, ou a “redução da disseminação de informações enganosas e recomendação de conteúdos de fontes confiáveis sobre eleições”, o YouTube explicita novamente que qualquer questionamento às urnas eletrônicas será tratado como “desinformação”. O tema terá a mesma atenção dispensada anteriormente a assuntos como a chegada do homem à Lua e a Covid-19. O objetivo declarado da empresa é praticamente invisibilizar “conteúdo duvidoso”, mantendo as visualizações de recomendações de quem receber esse rótulo num patamar abaixo de 0,5%.

No tópico “recompensar campanhas, candidatos e criadores de conteúdo sobre política”, o comunicado explica que desde novembro de 2021 já está mobilizando “anunciantes interessados em veicular publicidade eleitoral no Google Ads e no Display&Video 360”. Obviamente, a empresa diz estar aberta a criadores de conteúdo político e candidatos de “todo o espectro político”, o que não significa absolutamente nada, tendo em vista as limitações já anunciadas em relação a conteúdos “duvidosos” e o fato de que no mundo real a discrepância no poder econômico entre a burguesia e o resto da sociedade já seleciona o “espectro político” que será patrocinado. Esse é o “apoio à cidadania e ao processo democrático” proposto pelo YouTube.

Eleições cada vez mais antidemocráticas

Como não poderia deixar de ser, o domínio da internet por monopólios capitalistas reduz ao mínimo possível o potencial dessa tecnologia para a sociedade. O comunicado do YouTube deixou bem claro que é proibido questionar a inviolabilidade das urnas eletrônicas, mesmo que a quase totalidade da população não tenha sequer o conhecimento técnico para auditar o equipamento.

Quem acompanha a imprensa e a atividade política do PCO conhece a opinião do partido sobre o pleito de 2018, onde a palavra de ordem “eleição sem Lula é golpe” ecoou desde antes da abertura oficial do processo eleitoral. Ou seja, o partido denunciou uma fraude eleitoral, embasado na retirada arbitrária do candidato mais popular das eleições pelo poder judiciário. A ditadura imposta à atividade política na internet visa esconder o quanto for possível as opiniões que se opõem ao regime político burguês em vigência.

Diante da impossibilidade de controlar o aplicativo de mensagens Telegram, a Justiça Eleitoral vem travando uma batalha contra a empresa russa. Assim como em outros episódios de ataques aos direitos democráticos no Brasil, a burguesia coloca num primeiro momento figuras da extrema-direita na linha de tiro e com isso recebe apoio de setores da esquerda pequeno-burguesa. No caso do Telegram, a alta popularidade do ilegítimo presidente Jair Bolsonaro tem sido usada para isso, fechar um canal de comunicação que ganhou usuários nos últimos anos em benefício dos monopólios.

O desenvolvimento dos mecanismos de censura nas redes sociais serve justamente para que a burguesia controle e se preciso fraude as eleições. Ao impedir a livre expressão de pessoas, grupos e partidos políticos, esses monopólios estrangeiros atuam coordenadamente com os monopólios da comunicação tradicionais do país, como Globo, O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo e outros. Estes, não disseminam “fake news”, apenas mentem e manipulam a opinião pública sistematicamente. Obviamente não estão no radar “anti desinformação” do YouTube.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.