Diverso para o mesmo fim

Folha de S.Paulo: a escória disfarçada de diversidade

Folha de São Paulo institui novo Conselho Editorial com mais diversidade para mascarar melhor a mesma política contra o povo de sempre

A filosofa Sueli Carneiro será uma das novas caras do Conselho Editorial da golpista Folha – Arquivo

Desde o último domingo (19), o jornal golpista Folha de S. Paulo instituiu um novo Conselho Editorial, cuja marca é a diversidade dos novos participantes, além de neoliberais, jornalistas venais e capitalistas demagogos, o Conselho conta agora com a presença de militantes identitários negros: a filósofa Sueli Carneiro e Thiago de Souza Amparo, advogado e professor brasileiro. O Conselho Editorial tem por atribuição criticar o jornal, trazer novas ideias e discutir novas tendências, preocupou-se com a diversidade.

Este jornal, um dos principais porta-vozes da burguesia brasileira e internacional, esteve sempre na contramão dos interesses populares e democráticos e é reconhecidamente um jornal que expressa os interesses de um importante setor, talvez o mais poderoso, da burguesia nacional e do imperialismo. No passado o periódico apoiou e participou ativamente da ditadura militar de 1964, no presente, foi um dos principais articuladores do golpe de Estado contra a presidenta Dilma Rousseff, da prisão do ex-presidente Lula e da eleição fraudulenta de Jair Bolsonaro.

Teria esse devoto servidor dos capitalistas e opressões se rendido às catilinárias identitárias e com peso na consciência por seus pecados anteriores, passando a ser um fiel servidor da causa da diversidade, um veículo por meio do qual se expressa os interesses de todos os segmentos sociais? Ou seria somente mais um truque demagógico para enganar os incautos e tentar angariar alguma credibilidade junto à pequena-burguesia esquerdista, cooptando identitários dispostos a tal tarefa?

A Folha de S. Paulo sempre se caracterizou, diante das circunstâncias, por mudanças estéticas, para manter sempre os princípios intactos, que são: os interesses da grande burguesia e do imperialismo. Assim com a mobilização popular e a consequente queda da ditadura militar, que o jornal sempre apoiou, fizeram o país pender para a esquerda e diante nova circunstância a Folha passou a adotar novos ares, um tom liberal, supostamente democrático, e até mesmo criticar a ditadura passada que ela apoiou e participou.

Ainda muitas outras metamorfoses se deram nesse monopólio, no entanto, uma coisa sempre se manteve perene: a defesa dos interesses da grande burguesia contra o conjunto dos oprimidos do País. Durante a campanha colérica contra o governo do PT, que resultou no golpe de 2016, a Folha deu espaço até mesmo para setores de esquerda, como Guilherme Boulos, que à época cumpria o papel de atacar o governo nas páginas da Folha pela esquerda, a Folha justificou o espaço dado a esquerda pelo seu caráter “democrático”, tão logo o governo caiu e o espaço se fechou para ser reaberto tempos depois em outras circunstâncias.

Assim a nova manobra da Folha de se vincular ao identitarismo e se apresentar como empresa de ideologia identitária fala mais sobre o identitarismo em si que sobre a Folha, que já utilizou todo tipo de máscara para dissimular suas posições a serviço dos grandes capitalistas e contra o povo pobre, negro e trabalhador do país.

Como se pode ver, o identitarismo atua como um acessório que a burguesia usa para mistificar sua política. Assim como já se utilizaram da ideologia fascista, da ideologia liberal-democrática, utilizam-se agora da ideologia identitária a serviço de seus interesses.

A situação política nacional, inclusive, o exige. A direita tradicional, da qual a Folha é representante, procura levantar a terceira via, isto é, uma solução eleitoral genuinamente neoliberal e fiel ao bloco da burguesia tradicional. Tem, no entanto, que confrontar-se com a extrema-direita, Bolsonaro, e com a esquerda, que se agrupa em torno do ex-presidente Lula. A direita tradicional não tem absolutamente base alguma, a adoção do identitarismo tem a ver exatamente com isso, é uma tentativa, não tendo nada a oferecer à esquerda de concreto, de convencer a esquerda a apoiar a direita tradicional contra a extrema-direita, de tornar essa escolha para a esquerda mais “fácil”.

Não é à toa que o candidato mais cotado da direita tradicional e da Folha seja justamente João Doria (PSDB), o IdentiDoria, político que saiu da extrema-direita para o identitarismo, uma vez que não pode disputar a extrema-direita com Bolsonaro. Essa é a tarefa que os identitários, que é uma ideologia que insta os oprimidos a trocar a luta pelos seus interesses materiais por uma luta contra a cultura do seu próprio país, e ensina que todo aquele que é contra a cultura nacional é aliado, tem de desempenhar, mostrar para a esquerda que a direita pode sim, ser uma boa opção, que tem gente séria, que se preocupa com a diversidade como a Folha de São Paulo.

Há quem se sinta aliviado por considerar a manobra inviável com a candidatura de Lula, que impedirá a migração de votos. A burguesia, no entanto, joga com muitas cartas e tem muitos recursos, se consideram a manobra viável é preciso se precaver desde já.

Em relação aos identitários e ao identitarismo como ideologia, é preciso denunciá-los, sua ideologia está a serviço dos opressores, seus líderes estão sendo usados ou se deixam usar pelos piores opressores.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.