alckmin e lula

Rui Costa Pimenta critica aproximação de Lula com Alckmin

Monopólio da comunicação

É preciso estatizar os monopólios da comunicação e da tecnologia

Sob o controle dos partidos políticos, universidades, sindicatos, associações, movimentos populares

Redes sociais – Foto: Reprodução

Na segunda-feira (4), o Facebook sofreu um apagão e deixou bilhões de usuários dessa plataforma sem poder ter qualquer acesso aos seus conteúdos. No dia seguinte, um ex-funcionária dessa gigante das redes sociais denunciou ao Congresso norte-americano do quão é nocivo ao mundo o poder que monopólios privados, que ganham acumulam fortunas homéricas, principalmente com a manipulação, com censuras, inclusive passando por cima de legislações internas dos países, considerando como donos de toda a comunicação, utilizando-se de censuras a quem eles bem decidirem.

Conforme artigo da Folha de S.Paulo da última terça-feira (5), Haugen, ex-funcionária da rede social Frances, testemunhou no Capitólio, depois de vazar para as autoridades e para o The Wall Street Journal um enorme arquivo de investigações internas que detalham como o Facebook sabia que seus sites eram potencialmente prejudiciais para a saúde mental dos jovens.

Conforme o artigo relata, a denunciante disse: “acredito que os produtos do Facebook prejudicam as crianças, intensificam a divisão e enfraquecem a nossa democracia”. “É preciso que o Congresso aja. Essa crise não será resolvida sem a sua ajuda”.

Monopólio da comunicação

A imprensa, tanto escrita, falada e televisada, bem como as plataformas de tipo Facebook, YouTube etc. estão nas mãos de meia dúzia de pessoas que detém o poder da comunicação e fazem o que quiserem. Eles mesmos fazem suas próprias legislações, impulsionam guerras, interferem diretamente nos países, em relação aos chefes de estado etc..

No Brasil, onde o principal veículo de comunicação é dominado pela família do falecido Roberto Marinho, a Globo apoiou todos os golpes de estado que ocorreram no país, desde a aquisição da concessão, praticamente domina, bem como, interfere em toda a sua situação política e social.

As organizações Globo apoiaram a ditadura militar e, recentemente, foi uma da mais entusiastas, quando do golpe que tirou a Dilma Rousseff da presidência da república em em 2016 através do impeachment e orquestrou uma perseguição implacável contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, onde, juntamente com o imperialismo norte-americano, da CIA, noticiava diuturnamente notícias falsas coletadas diretamente da Polícia Federal, através do Sérgio Paranhos Moro, tido como alcunha de Mussolini de Maringá. Ou seja, apenas meia dúzia de famílias fazem o que bem entende com a comunicação do país.

Assim como as organizações Globo, temos Bandeirante, Record, ou seja, um privilégio, enquanto os partidos políticos, universidades, sindicatos, associações, movimentos populares não têm esse privilégio. É um absurdo! E hoje em dia não existe mais a desculpa que o Estado dava antes que era de que ele estava entregando a concessão porque a empresa de comunicação tem condições técnicas e infraestrutura para utilizá-la. Porque hoje, com a evolução da tecnologia, é muito fácil fazer programas de TV e rádio com uma infraestrutura mínima, porque as ferramentas técnicas já são acessíveis. A crise do Facebook/Instagram/WhatsApp mostrou que esses monopólios controlam são fracassados, não são eficientes. Como é que uma empresa privada fique a tarde inteira sem funcionar e mesmo assim tenha mais poder do que governos inteiros? Por que os governos se submetem a isso? Elas mandam nos governos! Esse é o imperialismo.

Caçar a concessão 

Em 2007, a emissora de televisão da Venezuela, a RCTV, à serviço do imperialismo norte-americano, que fazia oposição incessante ao governo Chávez, em 2005 havia pedido a morte do presidente Hugo Chávez durante oito dias seguidos, conforme o jornalista Cristian Góes.

Quando terminou o período de concessão da emissora de TV RC, o governo venezuelano não a renovou e, desta forma, tornando-a pública. No entanto, ficou limitada a apenas essa emissora.

Não ao controle dos meios de comunicação nas mãos dos monopólios privados, sob o controle de punhadinho de pessoas! É preciso expropriar esses monopólios, confiscar essas empresas e estilizá-las para colocá-las a serviço da população.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.