Menu da Rede

enem 1 (1)

Principais vestibulares têm grande queda de inscrições

Ditadura nas escolas

Governo Bolsonaro quer ampliar escolas militarizadas em 2021

A militarização das escolas é um problema político e pedagógico. Escolas militarizadas disseminam e impõe concepções conservadoras da sociedade.

Escolas militarizadas são instrumentos impulsionadores de ideias fascistas. – Foto: ANDES

Receba o DCO no Email

De acordo com informações repassadas no website do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior – ANDES, o Ministério da Educação – MEC pretende, ainda este ano, ampliar de 54 para 71 o número de escolas militarizadas no país. As ECIM -chamadas Escolas Cívico-Militares são  resultado do Programa Nacional de Escolas Cívico – Militares (Pecim) junto com  Ministério da Defesa que levam adiante o plano fascista, típico de governos de direita, em transformar escolas  democráticas em campos de opressão social e alienação dos estudantes e trabalhadores da instituição.

Dados divulgados pelo MEC informam que, entre os 27 estados que compõem a federação, 25 já foram selecionados para receber uma escola federal militar. A proposta é simples: enquanto todas as demais escolas têm suas verbas reduzidas e sofrem com sucateamento de suas estruturas, a escola militarizada é a única beneficiada com altos investimentos para fins estruturais e pedagógicos, sem contar o perfil excludente na seleção de estudantes, os quais são geralmente submetidos a uma prova eliminatória de conhecimentos gerais caso queiram se matricular em uma destas instituições. Portanto, o governo golpista de Bolsonaro, que não investe na qualidade dos IF’s e demais instituições de ensino será o mesmo que usará a escola militarizada como exemplo de ‘boa qualidade’, sem anunciar sua política de descaso com as demais escolas em todo o país.

É sabido que o governo fascista de Bolsonaro tem trabalhado decididamente para liquidar os poucos direitos da classe trabalhadora. E não tem sido diferente com o direito constitucional e universal à educação. Desde o início deste governo golpista, percebemos um constante corte de verbas e investimentos que antes deveriam ser direcionados para qualificar o ensino ao longo do país.  Trabalhadores da educação, desde técnicos e grupo de apoio escolar à professores, percebem como o governo Bolsonaro tem sido catastrófico para a educação Nacional. E como proposta de ‘solucionar’ o problema vem as escolas militarizadas.

As escolas militarizadas são agraciadas com melhores investimentos com a única finalidade demagógica de disseminar uma falsa ideia coletiva de que o ensino militar oferece maior capacitação aos estudantes. Ledo engano, pois selecionando apenas estudantes já preparados e sem grandes dificuldades familiares torna-se trabalho muito fácil ‘contribuir’ para a boa formação do aluno e, posteriormente,  usá-lo como propaganda enganosa das escolas militarizadas. Ou seja, seleciona-se apenas alunos que não apresentam dificuldades de aprendizagem e depois fazem propaganda de que são boas instituições.

O Pecim  foi lançado a partir da promessa de ‘melhorar’ a qualidade da educação básica no ensino fundamental e médio através de ‘doações’ de 1 milhão de reais para as escolas que aderissem ao programa, desde que as instituições selecionadas se submetessem a inúmeras regras preestabelecidas pelo governo bolsonarista, por exemplo: exclusão do ensino direcionado a jovens e adultos (EJA); exclusão de alunos com maiores dificuldades de aprendizado; exclusão do pensamento crítico em sala de aula; censura a temáticas que envolvam minorias e direitos humanos; a gestão administrativa torna-se responsabilidade de militares ou profissionais da área de segurança. E a gestão pedagógica fica sob a responsabilidade de pedagogos e profissionais de Educação.

Para além da questão financeira a estrutural, a militarização das escolas é um problema político-pedagógico. Escolas militarizadas disseminam e impõe concepções conservadoras da sociedade, interpretações discriminatórias em relação a grupos excluídos no sistema, além de fomentar a manutenção de ideologias típicas do estado burguês. Para além disso, as escolas militares também promovem concepções liberais, tais quais empreendedorismo e meritocracia, conceitos impraticáveis no Brasil, com tantas disparidades sociais e onde a classe trabalhadora nasce, muitas vezes, destinada a apenas trabalhar para comer, nada além.

A qualidade da educação não está condicionada à opressão militar nem a demagogias políticas do governo golpista de Bolsonaro. Apenas investimento real na estrutura física, investimento em qualidade e organização pedagógica, valorização dos trabalhadores da educação e garantia de condições que assegurem ao estudante o ensino poderão, de fato, impulsionar a melhoria da qualidade da educação em todas as escolas. Estudantes, trabalhadores da educação e sindicatos devem se organizar em comitês estudantis, em sindicatos e em frentes de intervenções, como “Educadores em Luta”, para coletivamente lutar pelos seus direitos.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.