20211024150250 1635096648042 1 1 (1)

Cristiano Ronaldo chuta jogador. E se fosse Neymar?

Rui Costa Pimenta

“Todo mundo esqueceu a destruição do PSDB, agora é um santo”

Presidente do PCO comenta os acontecimentos do 3 de julho na Paulista e esclarece a posição do partido diante da luta política que continua.

Análise Política na TV 247 – Rui Costa Pimenta foi entrevistado por Leonardo Attuch

Receba o DCO no Email

Na primeira Análise Política após os atos de 3 de julho, o presidente do PCO Rui Costa Pimenta analisou os atos e tudo o que aconteceu envolvendo militantes do PCO e provocadores enviados pelo PSDB. Rui também fez um balanço das manifestações pelo Brasil e os próximos passos para o movimento destacando as plenárias, agendadas para os dias 17 e 18 de julho, em que o PCO irá juntar todos do Bloco Vermelho para debater e decidir em conjunto os atos de 24 de julho.

Ao jornalista Leonardo Attuch, da TV 247, o presidente do PCO esclareceu que não houve qualquer agressão do PCO contra ninguém. Como pessoa jurídica não há condição de ser responsabilizado. “O PCO não tomou decisão de agredir ninguém, não agrediu ninguém. Alguns militantes do PCO se viram envolvidos num entrevero com gente do PSDB,  –não vou dizer que são militantes, porque de fato o PSDB não tem militantes –, era gente paga para segurar bandeira, provavelmente gente da polícia, esse tipo de coisa”.

Rui esclareceu que os militantes do PCO não agrediram, mas reagiram a agressões que sofreram. O vídeo abaixo mostra o começo de toda a confusão. “Alguns militantes do PCO e de outros partidos pegaram uma faixa do PSDB e começaram a rasgar essa faixa, aí aparecem outras pessoas que iniciam uma luta corporal. Esses agredindo as pessoas que estavam rasgando a faixa. (…) Da maneira como a imprensa fala, e isso é habitual, parece que o PCO pegou um pobre coitado na esquina, como faz a polícia do PSDB, e massacrou uma pessoa. Não, foi uma briga e quem iniciou a briga propriamente dita foram os tais elementos do PSDB (…)”

Acho que o fato de que muita gente está falando por aí de que ‘o PCO isso e o PCO aquilo’ não tem noção do que está falando e está inclusive de má fé. Eu constatei nesse evento aqui duas coisas importantes. A primeira delas é como o PSDB é odiado pelo povo, porque eu nunca na minha vida política recebi tanto elogio como depois do sábado. Choveu elogio ao PCO, o pessoal acha que esse PSDB é a pior coisa que aconteceu no mundo, não existe nenhum tipo de solidariedade com o PSDB a não ser de setores mais direitistas que acham que para você salvar o Brasil você tem que fazer a frente com aqueles que destruíram o Brasil e do outro lado tem uma minoria de pessoas que vê o PSDB com amor porque é um partido que tem dinheiro e poder. Vamos deixar isso absolutamente claro. (…)

A confusão na manifestação não serve à direita? Por que rasgar bandeira?

A motivação para rasgar a bandeira do PSDB é simples: a maioria das pessoas que estava na manifestação odeia o PSDB. O PSDB é o partido de João Doria, ou melhor, BolsoDoria, que derruba casa com gente dentro, da PM que mata mil pessoas na periferia. “Havia milhares de professores na Paulista. Se você falar do PSDB para um professor, ele espuma pela boca. Existe um ódio pelo PSDB. Existe uma luta constante aqui em São Paulo contra esses governos do PSDB”, afirmou Rui Pimenta.

O PSDB não é um partido político como o PT, por exemplo. O PSDB é odiado por todo mundo. “Cria-se um clima de que ‘nossa, por quê fazer isso com o PSDB?’. O pessoal odeia o PSDB. Em determinados casos mais até que o Bolsonaro”, completou.

Não houve estímulo da parte do PCO para agressões. O presidente do Partido analisou:

O que nós havíamos decidido e alertado era que se colocasse PSDB, Alexandre Frota, Joice Hasselmann, Kim Kataguiri para falar ia dar problema porque nós iríamos tentar impedir esse pessoal de falar e não iríamos ser só nós não. Isso nós dissemos, mas esse entrevero com esse pessoal do PSDB foi algo acidental. O pessoal passou por lá, inclusive era um grupo pequeno de militantes que estava lá, a maioria do pessoal estava do outro lado da passeata. Se fosse todo mundo do PCO, nós tínhamos 400 pessoas lá, seria como passar com um tanque de guerra em cima dessa gente. Se fosse para fazer um ato de força teria sido muito mais violento do que isso. Então foi uma coisa acidental. Agora, nós estimulamos isso? Na medida em que fazemos uma campanha permanente contra a presença do PSDB nas manifestações, a gente estimula.

Parte da direção do movimento tenta impor o odiado PSDB nos atos

“O pessoal não quer e eu acho inclusive que há uma imposição de certos setores da direção do movimento. Ninguém consultou ninguém [para perguntar] ‘vocês querem o PSDB?’, ninguém chegou lá e consultou”, disse Rui, denunciando a “operativa” que controla o movimento pelo Fora Bolsonaro de maneira antidemocrática. Ele lembrou que em reunião antes do ato, uma parte da operativa tentou colocar o PSDB no palanque para falar no ato de São Paulo, mas o PT vetou tal impostura. “Por que o PT vetou a palavra do PSDB? Primeiro que os sindicatos do PT de São Paulo ameaçaram abandonar o ato se o PSDB fosse falar. E segundo porque eles sabem que é difícil de segurar o militante do PT se aparecer o cidadão do PSDB falando. Então é preciso ter consciência desse clima que tem. É uma imposição. O pessoal não quer o PSDB”.

As pessoas que estão na manifestação precisam ser respeitadas. Não foi o PSDB quem começou a manifestação. Quem, em primeiro lugar, começou uma manifestação pública de rua foi o PCO. Nós chamamos o movimento, agora algumas pessoas que se acham donos da manifestação querem impor o PSDB nas manifestações contrariando a vontade popular. É interessante notar que não há uma iniciativa do PSDB para participar dos atos, mas é uma ala do movimento de esquerda que está chamando o PSDB.

O entrevero com o PSDB ajuda ou atrapalha o 24 de julho?

Embora não tenha sido uma ação planejada e coordenada, ela teve um efeito salutar. Ela interrompeu um processo que é efetivamente a tentativa de colocar partidos que nem são a favor do “Fora Bolsonaro”, como é o caso do PSDB — porque aqui o pessoal esquece uma coisa: onde é que o PSDB é a favor do “Fora Bolsonaro”? Qual é o pedido de impeachment do Bolsonaro que o PSDB assinou? Qual é o líder do PSDB que falou que o Bolsonaro tem que sair de qualquer jeito? (…). E existe uma ala dentro do movimento, que é a ala a favor da “Frente Ampla”, que quer colocar o PSDB na cabeça do movimento

Todo o ocorrido trouxe à tona um debate importantíssimo que estava oculto, que é toda essa tentativa de entregar para elementos de direita o movimento em nome de que isso seria benéfico para a derrubada de Bolsonaro, disse Rui. O fortalecimento da manifestação virá com a inserção de Lula no palanque, não o PSDB, completou.

De novo a história do “vandalismo”

O analista político lembrou o “vandalismo” da população nas manifestações populares por todo o continente. A esquerda precisa refletir por que elogiou o que ocorreu no Chile, que foi uma “quebradeira total”. O povo Incendiou o prédio da Enel de quase 10 andares após alta nos preços da energia elétrica.

“Aí na manifestação alguns jovens – o pessoal está falando que são infiltrados, mentira, não são – quebraram [coisas] porque o pessoal, logicamente, é revoltado, aí todo mundo fica indignado. Então tinha que apoiar o Piñera no Chile, tinha que a poiar a ‘lei e ordem’? O povo pode morrer de fome, pode morrer 500 mil trabalhadores que foram obrigados a trabalhar na pandemia, inclusive pelo PSDB, mas ninguém pode se revoltar. Ninguém pode perder a boa. Todo mundo tem que ser calmo, todo mundo tem que ser tranquilo. Acho que o pessoal tem que pensar um pouco. Nós discutimos aqui várias vezes que havia uma tendência à explosividade. A tendência à explosividade se manifesta nesses atos aí. O PSDB é a representação da repressão, então é lógico que o pessoal vai perder a esportiva com o PSDB (…)”, analisou.

Quem são os jovens quebradores de vidraça?

A acusação de que seriam policiais a mando de Bolsonaro não procede, na visão de Rui Pimenta. Segundo ele, “é uma juventude de classe média-baixa da periferia ultra-revoltada. Eles têm ideias anarquistas meio confusas, um pessoal que não tem uma ideologia clara e não está submetido a nenhuma disciplina política determinada nem nada. Agora, eu sinceramente acho que seria uma pessoa totalmente hipócrita se eu condenasse a extrema revolta que a juventude tem. Eu acho que se fosse jovem hoje e não tivesse a formação política que eu tenho eu iria quebrar o banco Santander também. (…) Nossos militantes têm experiência para detectar policiais. Nós vimos policiais, por exemplo, no meio do pessoal do PSDB”.

Risco de um novo junho de 2013

“Havia policiais contra a manifestação, não no quebra-quebra. O quebra-quebra eram jovens da periferia e jovens de classe média que se consideram anarquistas. Os infiltrados foram pra cima da esquerda. (…) Em junho de 2013 a que partido pertenciam as pessoas que foram para cima da esquerda? PSDB. Pertenciam ou foram organizados pelo governo do PSDB que reprimiu de uma maneira bárbara a manifestação da esquerda. Furou o olho de mais de um jornalista, atacou mulher, bateu em velha. Isso daí todo mundo esqueceu. O PSDB agora é um santo” – ironizou Rui Costa Pimenta, para concluir a análise.

 

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.