Google e Twitter questionam Moraes de bloquear perfis do PCO

No domingo

PCO faz chamado público: todos por Lula Presidente dia 12 em SP!

Ato reunirá os setores mais combativos da luta contra o golpe

Lula Presidente – Foto: Diário Causa Operária

Receba o DCO no Email

Para fechar com chave de ouro um ano de muitas vitórias para o Partido da Causa Operária, o ato do dia 12 de dezembro, em São Paulo, reunirá militantes e ativistas de País inteiro na Avenida Paulista. Esse deverá ser o último ato da campanha Fora Bolsonaro, Lula Presidente do ano de 2022, que foi marcado por uma sequência de mobilizações muito importantes para a luta contra o governo Bolsonaro e o conjunto da direita golpista.

Mesmo diante de um regime que evolui cada vez mais para uma ditadura, o ano de 2022 foi muito diferente da paralisa do ano de 2021. Naquele ano, a pandemia de coronavírus, que hoje já matou 600 mil brasileiros, serviu como a desculpa perfeita para que a burocracia sindical e as direções da esquerda pequeno-burguesa decretassem, oficialmente, a política que já vinham adotando de maneira dissimulada: o “lasque-se o povo, fiquemos em casa”.

A campanha histérica da esquerda pequeno-burguesa se somou a uma repressão brutal. Patrões carniceiros que obrigaram os trabalhadores a pegar conduções lotadas ficaram encastelados, assistindo a seus cofres ficarem mais cheios. Enquanto isso, quem não tivesse dinheiro para comprar uma máscara poderia ser preso ou multado!

Pouco a pouco, os trabalhadores foram derrubando o assédio contra as manifestações de rua. Em maio de 2020, os torcedores do Corinthians, junto com militantes do PCO, botaram a extrema-direita para correr e retomaram as ruas. O movimento Fora Bolsonaro, no entanto, ainda não estava suficientemente maduro e acabou arrefecendo, na medida em que foi abertamente sabotado por Guilherme Boulos (PSOL), que entregou os atos para a Polícia Militar e para o PSDB, e não contou com a adesão dos aparatos da esquerda nacional. Mesmo assim, os atos daquele período serviram para reagrupar toda uma vanguarda da luta contra o golpe, que rompeu com as burocracias e passou por cima do “fique em casa”.

No primeiro de maio deste ano, enfim, o dique do “fique em casa” foi rompido de vez. Impulsionado pelo PCO, o ato em São Paulo reuniu cerca de duas mil pessoas de todas as regiões do País. Aqueles que já vinham saindo às ruas no ano anterior participaram ativamente do ato e colocaram em perspectiva a formação de uma verdadeira frente única da esquerda, de luta e classista.

A mobilização do primeiro de maio não se deu ao acaso. Quase meio milhões de pessoas já haviam morrido pela crise sanitária, a fome passou a ser uma realidade cada vez mais frequente e as revoltas contra a política da direita eram quase que diárias. O ato acabou servindo como o último golpe que faltava para que o dique de contenção fosse derrubado. Os trabalhadores chutaram para cima o “fique em casa” e inauguraram uma nova etapa de lutas.

Ainda em maio, aconteceu o primeiro ato de massas desde o início da pandemia. Cerca de um milhão de pessoas foram às ruas. A mobilização de rua passou a ser um fator decisivo na política nacional. Antes, o que era apontado como “oposição” ao governo Bolsonaro era a CPI, um circo direitista para promover figuras reacionárias como o vigarista Renan Calheiros. Com a mobilização, a oposição ao governo se revelou um poderosíssimo movimento popular, que tinha o potencial de colocar não só o governo abaixo, mas o regime de conjunto. Os trabalhadores passaram a ganhar mais confiança em sua política e a candidatura de Lula se fortaleceu.

Os trabalhadores forçaram a burguesia a organizar uma reação. Os golpistas tentaram a todo custo enfiar o verde e amarelo nas manifestações, a infiltrar direitistas como Roberto Freire (Cidadania) e fazer uma campanha desesperada pela “frente ampla”. Esqueceram, contudo, que não jogavam sozinhos.

Os companheiros que se reuniram para organizar o ato de primeiro de maio, contra tudo e contra todos, acabaram formando uma ferramenta muito importante para a luta da classe operária: o Bloco Vermelho. Sob a direção política do Partido da Causa Operária, dezenas de organizações de base atuaram durante todo esse período como uma frente única de combate a todas as provocações e infiltrações da direita. Foi esse bloco que expulsou o PSDB dos atos, hostilizou a Força Sindical e Ciro Gomes, sufocou o verde e amarelo com a cor da luta dos trabalhadores e colocou a campanha por Lula Presidente nas ruas. Esse bloco, que expressava os sentimentos da esmagadora maioria do povo, acabou com a farra da “frente ampla”. Levou até as últimas consequências a luta das massas e fez com que a burguesia mudasse de política.

Agora, em vez de tentar infiltrar seus funcionários nos atos, a direita está em campanha para acabar com a mobilização de rua. Já que não pode mais mandar os golpistas para as manifestações, sob o risco de serem gravemente hostilizados, agora pressiona para que os trabalhadores voltem ao “fique em casa”.

O setor que esteve em casa enquanto se formava o Bloco Vermelho já capitulou. As direções de todos os partidos de esquerda, com exceção do PCO, cancelaram, vergonhosamente, os atos que estavam marcados para o final do ano. Colocaram a viola no saco e já fizeram as malas para suas férias no exterior, se o dólar assim permitir.

Em contrapartida, o Bloco Vermelho está, mais uma vez, tomando a iniciativa para que os atos aconteçam, defendendo, na prática, os interesses da classe operária, em oposição à covardia das direções da campanha Fora Bolsonaro. Não é possível retornar ao “fique em casa”: as restrições da crise sanitária acabaram, o país está explodindo de tanta miséria e falta menos de um ano para a eleição. A iniciativa da esquerda neste momento é urgente, é preciso agir agora, enquanto a burguesia está batendo cabeça, ainda indecisa sobre quem será o seu candidato.

A esquerda já tem seu candidato, já tem um movimento e já tem os seus soldados. Basta convocá-los!

O dia 12 de dezembro é um passo fundamental neste sentido. Convocado pelo Bloco Vermelho, a manifestação servirá para apontar o caminho da mobilização para os trabalhadores. O ato começará às 14h, na Avenida Paulista, e terá com principais palavras de ordem o programa da classe operária para a atual etapa: a derrubada do governo golpista (Fora Bolsonaro) e a campanha em torno da maior liderança popular da América Latina (Lula Presidente).

As caravanas para o ato já estão se preparando para viajar. Todos aqueles que querem a continuidade do movimento, que querem ver evoluir a luta dos trabalhadores contra a direita, devem ir à manifestação. Participe do ato, some-se às caravanas e venha com suas bandeiras e faixas pelo Fora Bolsonaro e Lula Presidente.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.