Crise de saúde

Surto de Ebola volta a castigar o Congo

Imperialismo deixa países pobres como o Congo serem dizimados por doenças para lucrar

Ebola

Vírus do Ebola – CDC/Cynthia Goldsmith – Public Health Image Library, #10816

A descoberta de um novo caso de Ebola na região norte da República Democrática do Congo, na cidade de Mbandaka, motivou as autoridades sanitárias do país a declararem, no dia 23/04/2022 (sábado), um novo surto da doença.

O novo surto surge há pouco mais de 4 (quatro) meses depois de oficialmente encerrado o surto anterior, que havia se iniciado em 8 de outubro de 2021 e terminou oficialmente em 16 de dezembro, deixando um total de 9 mortos.

Já é o 11º (décimo primeiro) surto de Ebola a ter início na República Democrática do Congo desde 2007.

Ebola é uma das doenças que já deveria ter sido erradicada da face da terra, em razão do desenvolvimento tecnológico da humanidade no último século.

Contudo, como vivemos no modo de produção capitalista, em especial na sua fase de decadência (o Imperialismo), doenças que deveriam ter sido erradicadas ainda não o foram. Ademais, doenças que já haviam sido erradicadas voltam a assolar o planeta, especialmente os países mais esmagados pelo Imperialismo, quais sejam, os países do continente africano.

A não erradicação das doenças, apesar do desenvolvimento tecnológico da humanidade, nada mais é do que um produto do próprio modo de produção capitalista: nele, tudo se transforma em mercadoria, até mesmo a vida de bilhões de seres humanos.

Para o Imperialismo, em especial para os monopólios da indústria farmacêutica, só vale salvar vidas na medida em que seja lucrativo e/ou desde que seja necessário para a manutenção de uma estabilidade política, necessária para a continuidade da exploração capitalista.

Assim, a erradicação de doenças fica dificultada, pois o motor que move a indústria farmacêutica não é a descoberta científica, e muito menos o apreço pela vida humana e sim o lucro.

Por sua vez, e no mesmo sentido, o retorno de doenças que já haviam sido erradicadas é produto da destruição das forças produtivas causada pelo Imperialismo através da política neoliberal.

Através dessa política, os países imperialistas (os principais são: EUA, Inglaterra, França, Alemanha e Japão) promoveram a maior destruição de forças produtivas que a humanidade já viu. Maior até que as duas grandes Guerras.

Colocando em termos concretos: a fim de salvar os monopólios capitalistas da falência, sugando todo o orçamento estatal necessário (leia-se, o dinheiro do povo), os países imperialistas promoveram uma destruição generalizada dos sistemas de saúde mundo afora, principalmente o dos países atrasados, mas também o dos seus próprios países.

E quando falamos em sistema de saúde, também falamos do aspecto sanitário, fundamental para a prevenção das mais variadas doenças.

Esse novo surto de Ebola nada mais é do que um produto dessa destruição neoliberal.

Assim também o são os frequentes surtos epidêmicos/pandêmicos das demais doenças, cuja frequência vem aumentado nos últimos anos.

Cumpre lembrar que ainda estamos enfrentando a pandemia da COVID-19, que se iniciou há mais de dois anos. Embora boa parte da população do continente americano, europeu e asiático já tenha sido vacinada, no continente africano, menos de 25% da população foi imunizada.

Enquanto a população africana comia o pão que o diabo amassou, os países imperialistas, principalmente os Estados Unidos, fazia estoque de doses vacinais, mais do que o necessário para imunizar a própria população.

Isto, combinado com o novo surto de Ebola, demonstra o quão esmagado são os povos africanos.

Como fica claro, não é um mero problema de saúde pública, é um problema político: enquanto o Imperialismo continuar a esmagar e a impedir o desenvolvimento dos países atrasados, em especial os países africanos, esses surtos continuarão a se repetir. Doenças que já estão erradicadas voltarão a aparecer.

Assim, a única saída é a derrocada do próprio imperialismo e, consequentemente, do modo de produção capitalista, que já está com seus dias contatados, pois o povo oprimido do mundo inteiro não aguenta mais uma vida de miséria e de destruição neoliberal.

A luta continua. Deve continuar.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.