Afeganistão

Razão da crise é o congelamento da economia pelos EUA, diz afegão

"Estamos enfrentando uma grande crise econômica e a razão por trás da crise é o congelamento dos ativos do Afeganistão pelos Estados Unidos"

economia afega se aproxima do colapso a medida que aumenta 1024x536 (1)

Afegãos em situação de miséria – Reprodução

─ Xinhua ─ O dólar americano desvalorizou em relação ao afegane, moeda nacional do Afeganistão, de 130 dias atrás para 98 afeganes no domingo, de acordo com o Da Afghanistan Bank (DAB), mas o preço de produtos básicos e alimentos ainda permaneceu alto.

“Enfrento muitos problemas em casa, mas quando visito os bazares locais, enfrento problemas muito maiores, incluindo o alto preço dos bens e alimentos básicos. O preço dos bens essenciais dobrou em comparação com um mês atrás”, disse à Xinhua no sábado, Sayyed Mohammad, um residente da província de Jawzjan, ao norte.

Ele disse que os preços dos produtos dispararam após uma queda acentuada do valor afegane no início desta semana. “A taxa das moedas estrangeiras caiu nos últimos dias, mas os preços dos alimentos, gás e combustível, bem como do aluguel de carros, não caíram até agora”.

Desde a tomada do Afeganistão pelo Talibã em meados de agosto e a formação do governo provisório liderado pelo Talibã em setembro, o país enfrenta problemas econômicos.

Os serviços básicos no Afeganistão estão entrando em colapso, enquanto os alimentos e outras ajudas que salvam vidas estão prestes a acabar.

A situação se agravou com o congelamento de mais de 9 bilhões de dólares do DAB, banco central do país, ativos dos Estados Unidos e paralisação de recursos do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

“Estamos enfrentando uma grande crise econômica e a razão por trás da crise é o congelamento dos ativos do Afeganistão pelos Estados Unidos. Vim a Cabul para sacar minhas economias de um banco privado depois que não consegui tirar dinheiro em minha cidade natal, no entanto, eu não consegui tirar o dinheiro, apesar de perder tempo e esperar dias”, disse Mohammad.

“Se os EUA não devolverem nossos ativos, os afegãos enfrentarão uma catástrofe humanitária em breve”, disse ele.

O governo interino do Talibã pediu repetidamente aos Estados Unidos que descongelem os ativos com agências de ajuda alertando sobre a escassez aguda de alimentos para mais de 22 milhões de afegãos no próximo inverno.

“Estou tentando receber meu salário há duas semanas após um anúncio do governo. Há incerteza nos bancos de todo o país, não podemos sacar nossas economias ou salários de nossas próprias contas”, disse Mohammad Sharif, um funcionário público.

A maioria dos cerca de 400.000 funcionários estaduais recebeu salários de apenas dois meses desde julho. O governo do Talibã anunciou que os funcionários públicos podem receber seus salários, no entanto, os problemas e crises nos bancos continuaram sendo um obstáculo para que os funcionários recebam o salário em dia, de acordo com Sharif.

“O governo enfrenta uma crise financeira em meio à queda nas receitas e ainda não conseguiu pagar os salários dos vários meses que faltam. De um lado, os empresários aumentaram os preços de seus produtos porque as moedas estrangeiras estão subindo rapidamente. Do outro, a maioria dos afegãos tem tão pouco em suas carteiras para comprar comida e lenha porque o inverno está chegando”, disse ele.

A recente crise forçou muitos afegãos a fugirem do país, mas as autoridades do Talibã estão tentando convencer o povo a ficar e prometendo que os desafios serão resolvidos em breve.

No sábado, o governo provisório do Talibã marcou o Dia Internacional dos Migrantes. As autoridades pediram aos afegãos que fiquem e reconstruam seu país, pois “a guerra civil chegou ao fim”.

“A segurança está garantida em todo o Afeganistão agora, não há guerra e não há perigo de representar uma ameaça à vida dos afegãos, todas as pessoas podem viver em seu país com dignidade e glória”, Sher Mohammad Abbas Stanikzai, vice-ministro das Relações Exteriores do governo interino, disse aos participantes em uma reunião que marcou o dia dos migrantes no sábado.

“Infelizmente, os cidadãos afegãos não têm mais dinheiro suficiente para comprar produtos, todos estão sofrendo uma crise econômica sufocante”, disse Salim Khan, um residente de Cabul.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.